Educadora 950

Educadora 950

 A Rádio da Família Cristã

Programa foi ao ar nesta segunda-feira, 3, às 8h com apresentação de Araújo Pachele

A Rádio Educadora do Nordeste ganhao um programa de radiojornalismo a partir desta segunda-feira, 3. O “Informativo 950” irá ao ar de segunda a sexta-feira de 8h às 9h com a apresentação de Araújo Pachele. O time de repórteres contará com Osvaldo Avelino, Frank Oliveira, Paulo Aguiar e Breno Aguiar. O programa também vai investir na interação com o público com a entrada de ouvintes no ar.
O Informativo 950 segue o processo de modernização da Rádio Educadora do Nordeste. A emissora também tem investido para melhorar sua qualidade técnica e de programação, compromisso assumido pelo novo diretor geral do veículo de comunicação, Pe. Lucas do Nascimento Moreira, com o apoio do bispo diocesano Dom José Luiz Gomes de Vasconcelos Vasconcelos..
“Será um programa de radiojornalismo com informações sobre a cidade, a Igreja, esportes, além de comentários informativos”, ressalta Araújo Pachele. O programa, segundo ele, irá somar e renovar a grade da emissora. “É o início de uma nova programação de radiojornalismo. Será um programa eclético com várias informações populares dos ouvintes”, completa.

Fonte: Correio da Semana

Aconteceu dos dias 24 a 26 pela 8ª vez na Diocese de Sobral, o retiro Pré-Adolescentes em Marcha para Cristo (PAMC), promovido pela Comunidade Católica de Vida e Aliança Novo Ardor. Ao todo participaram 50 pré-adolescentes que possuem entre 10 e 13 anos (faixa etária do retiro). 21 eram de Senador Sá, 17 de Sobral e 12 de Alcântaras.
No trabalho de formação integral nosso objetivo é alcançar todas as fases de desenvolvimento do ser humano. Para construção deste trabalho que Deus suscita ao nosso Carisma, começamos com o RECA (Retiro Espiritual de Capacitação para a Ação em Cristo), que é feito para quem tem mais de 18 anos, não tendo limite de idade. O RECA está acontecendo pela 7ª vez aqui na Missão Ceará e aconteceu pela 17ª vez lá em Brasília no período do Carnaval; logo depois tivemos o Adolescer em Cristo (14 a 21 anos), o Germinar (06 a 09 anos), o Pólen de Cristo (participam mulheres gestantes acompanhadas do pai e recém-nascidos e crianças de até 05 anos)… Foi aí que pensamos na ideia de elaborar um retiro que fosse adequada a esta fase de desenvolvimento humano e que tivesse uma dinâmica adequada ao que vivem nessa fase transitória da infância para a puberdade. Vimos que isso não existia em outros grupos e pastorais que tínhamos contato e fomos amadurecendo a ideia até que nasceu o retiro Pré-Adolescentes em Marcha para Cristo que chamamos de PAMC.
O retiro nasceu em 2010 lá em Brasília (onde atualmente está situada nossa sede), com o objetivo de formar pré-adolescentes que sejam conscientes de seus dons e queiram colocar seus dons à serviço da Igreja, através do uso das artes. No Ceará realizamos pela 1ª vez no ano de 2012 e desde então tem sido crescente a procura dos pré-adolescentes. Alguns já fizeram o retiro cinco vezes. Diferente do Adolescer em Cristo que só pode ser feito uma vez, o PAMC é aberto para outras participações desde que se tenha a faixa etária necessária, ou seja, que o pré-adolescente tenha entre 10 e 13 anos. Garantimos que embora a dinâmica, a essência do retiro não mude, nenhum retiro é igual a outro, pois cada um deles, é rezado, pensado e discernido para aqueles participantes que o Senhor vai nos mostrando ao longo.

O PAMC 
É MAIS QUE UM RETIRO…
Dando continuidade ao retiro serão realizados encontros mensais por localidade a fim de dar continuidade àquilo que é trabalhado no retiro. Contamos com o apoio dos pais e familiares para que possam preservar neste trabalho.

TESTEMUNHOS DO VIII PAMC CE
“Participar do PAMC foi uma experiência única, onde pude aprender bastante com todos que ali estavam. Lá podemos deixar as coisas do mundo e procurar se aproximar mais de Deus. Tivemos várias oficinas: artesanato, desenho e pintura, culinária, entre outros. Muitos momentos de espiritualidade com Deus. Quero agradecer a todos que fazem parte desse projeto lindo e abençoado. Vocês são anjos enviados por Deus e não imaginam o bem que fazem para nós”. Helen Lara, 11 anos.

“Eu gostei muito do PAMC. Não é a primeira vez que eu vou aprendi várias coisas, achei muito legal! Me diverti muito, gostei de todos os servos do retiro!” Ana Ariely, 11 anos.
“Nunca tinha imaginado que eu seria capaz de ir lá e servir no PAMC. De início estava meio perdida sem saber ao certo o que fazer e o que eu ia fazer exatamente e com medo de fazer alguma coisa errada. Porém, apesar disso foi uma das melhores experiências da minha vida… Ver aqueles pré-adolescentes indo em busca de Jesus e ver o tanto que gostaram de mim me encheu de alegria. Fiquei feliz em poder acompanhar de perto o esforço de cada um para que suas oficinas saíssem do jeitinho que eles planejavam e a euforia de cada pré-adolescente para aprender e sair
com algum aprendizado de cada oficina. Foi a primeira vez que servi e espero ir mais vezes”. Assuncena, serva do retiro.

AGRADECIMENTOS 
CONTATOS

Agradecemos a todos os pais e/ou responsáveis que contribuíram e confiaram aos nossos cuidados seus filhos e que junto conosco tornaram possível a realização deste retiro, ao Pe. Lucas Nascimento da Paróquia São José por seu apoio pastoral, ao Roberto (secretário da paróquia), ao padre José Marcone por nos acompanhar em nossa missão, a todos os catequistas que nos acompanharam na elaboração do retiro, em especial à Neta e a Conceição.
CONTATOS:
Elídia (coordenadora geral da Missão Ceará): 88 9 92595393.
Rodrigo (coordenador geral da Juventude Novo Ardor): 88 9 92555870.
Rayanne (coordenadora do PAMC na Missão Ceará): 88 9 993589897.
E-MAILS: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.@gmail.com
REDES SOCIAIS:
www.fb.com/Comnovoardor
@comunidadenovoardor
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
www.novoardor.com.br

Fonte: Correio da Semana

Foi um dia histórico. Santa Teresa de Calcutá participou no Café da Manhã de Oração Nacional que é celebrado todos os anos em Washington (Estados Unidos). Foi em 3 de fevereiro de 1994, ante a classe dominante americana. A fundadora das Missionárias da Caridade proclamou com coragem a verdade sobre o crime do aborto.

Em seu discurso diante do então presidente Bill Clinton, da primeira-dama Hillary Clinton, do vice-presidente Al Gore e de sua esposa e outras figuras políticas que não estavam de acordo com ela, a religiosa de origem albanesa se referiu ao aborto como uma ameaça para paz.

“A maior ameaça para a paz hoje é o aborto, porque o aborto é declarar guerra à criança, a criança inocente que morre nas mãos de sua própria mãe. Se aceitarmos que uma mãe possa matar o seu próprio filho, como podemos dizer aos outros que não se matem? Como persuadir uma mulher para que não pratique um aborto? Como sempre, terá que fazê-lo com amor e recordar que amar significa doar-se até doer”.

“Jesus deu a sua vida por amor a nós. É necessário ajudar a mãe que está pensando em abortar; ajudá-la a amar, mesmo quando esse respeito pela vida do seu filho a obrigue a sacrificar seus projetos ou seu tempo livre. Por sua vez, o pai dessa criatura, seja quem for, também deve se doar até doer”.

“Ao abortar, a mãe não aprendeu a amar; tentou solucionar os seus problemas matando o seu próprio filho. E através do aborto, envia uma mensagem ao pai que ele não precisa assumir a responsabilidade pelo filho gerado. Um pai assim é capaz de pôr outras mulheres na mesma situação. Dessa forma, um aborto pode levar a outros abortos. O país que aceita o aborto não está ensinando o seu povo a amar, mas a aplicar a violência para conseguir o que deseja. É por isso que o maior destruidor do amor e da paz é o aborto”.

Além disso, recordou ‘Análisis Digital’, Madre Teresa pediu às mulheres que pensavam em abortar os seus filhos, para entregá-los a ela: “O maior presente que Deus deu à nossa congregação é lutar contra o aborto através da adoção. Já entregamos, somente na nossa casa em Calcutá, mais de três mil crianças para a adoção. E posso dizer-lhes quanta alegria, quanto amor e quanta paz essas crianças levaram para essas famílias. Foi um verdadeiro presente de Deus para eles e para nós”.

“Recordo que uma das crianças estava muito doente, então pedi aos pais que a devolvessem e eu lhes daria uma criança saudável. Mas o pai olhou para mim e disse: ‘Madre Teresa, leva a minha vida antes da criança’. É lindo ver quanto amor, quanta alegria essa criança levou a essa família”.

“Rezem por nós para que possamos continuar com esse lindo presente. E também faço uma proposta: nossas irmãs estão aqui, se alguém não quer uma criança, entreguem-me, pois eu a quero”.

Com as suas palavras, o fundadora das Missionárias da Caridade tocou o coração de muitos que estavam presentes e também deixou claro que a maior pobreza não encontrou nos subúrbios de Calcutá, mas nos países mais ricos onde falta o amor, nas sociedades que permitem o aborto.

“Para mim, as nações que legalizaram o aborto são as mais pobres, têm medo de um não nascido e a criança tem que morrer”.

Apesar do seu tamanho, ela não se encolheu em nenhum momento, pelo contrário, permaneceu firme como uma pedra e removeu as consciências dos poderosos dando voz aos não nascidos: “Com determinação, que nenhuma criança seja rejeitada ou não seja amada, ou que não se preocupem por ele ou não o assassinem e o joguem no lixo”.

Fonte: ACI

Durante setembro, a Igrejano Brasil celebra o mês da Bíblia, período em que se busca de maneira especial desenvolver o conhecimento da Palavra de Deus e a aplicação desta na vida cotidiana, como exortou o Papa Francisco em diferentes momentos.

Em outubro de 2014, durante a abertura do Sínodo Extraordinário da Família, no Vaticano, Francisco ressaltou que “a Bíblia não é para ser colocada em um suporte, mas para estar à mão, para lê-la frequentemente, cada dia, seja individualmente ou juntos, marido e mulher, pais e filhos, talvez de noite, especialmente no domingo”.

Durante outras ocasiões, como nas Audiências gerais e nos Ângelus na Praça de São Pedro, o Pontífice aconselhou os fiéis a carregarem consigo um evangelho de bolso, para que possa ser lido a qualquer momento.

“Hoje se pode ler o Evangelho também com muitos instrumentos tecnológicos. Pode-se trazer consigo toda a Bíblia num telefone celular, num tablet. O importante é ler a Palavra de Deus, com todos os meios, e acolhê-la com o coração aberto. E então a boa semente dá fruto!”, afirmou durante a oração mariana, em 6 de abril de 2014.

O mês da Bíblia teve início em 1971, por ocasião do cinquentenário da Arquidiocese de Belo Horizonte (MG). Foi levado adiante com a colaboração do Serviço de Animação Bíblica da Congregação das Paulinas (SAB). Posteriormente, foi assumido pela Conferência dos Bispos do Brasil (CNBB) e estendeu-se ao âmbito nacional.

A escolha do mês de setembro para dedicar-se à Bíblia deve-se ao fato de no dia 30 de setembro ser comemorado o dia de São Jerônimo. Este santo foi quem traduziu a Bíblia dos originais (hebraico, grego e alguns trechos em aramaico) para o latim.

A tradução feita por São Jerônimo chama-se a “Vulgata” (de “vulgata editio”, “edição para o povo”) e foi o texto bíblico oficial da Igreja Católica até a “Neovulgata” em 1979.

Este mês dedicado à Bíblia tem como objetivo: contribuir para o desenvolvimento das diversas formas de presença da Bíblia, na ação evangelizadora da Igreja, no Brasil; criar subsídios bíblicos nas diferentes formas de comunicação; facilitar o diálogo criativo e transformador entre a Palavra, a pessoa e as comunidades.

Fonte: ACI

Emissoras de TV já podem desligar o sinal analógico e transmitir a programação apenas pelo sinal digital

Por decisão do GIRED, Grupo de Implantação da TV Digital, os canais de TV de Sobral, Forquilha, Massapê e Santana do Acaraú estão autorizados a desligar o sinal analógico, desde as 23h59 da terça-feira, 28, e o processo se encerra em 31 de outubro. Após essa data, só será possível assistir à programação da TV aberta pelo sinal digital.

“O desligamento tem início nessas 4 cidades e as pessoas que ainda não migraram precisam se preparar porque o sinal analógico pode ser desligado a qualquer momento”, diz o presidente da Seja Digital, Antonio Carlos Martelletto. “Estamos preparados para atender a população e auxiliá-la da melhor maneira possível para que todos estejam preparados”, afirma.

Para saber se tem direito ao kit gratuito, composto por antena digital e conversor com controle remoto, as famílias precisam acessar o site www.sejadigital.com.br/kit ou ligar gratuitamente para o número 147, com o NIS (Número de Identificação Social) em mãos.

Fonte: Correio da Semana

A organização do Grito dos Excluídos promoverá um encontro de formação e mobilização para celebração do Grito dos Excluídos 2018. O evento será realizado neste sábado, 1º no Auditório Dom Walfrido de 8h às 11h.

A programação de 2018 acontecerá na praça da Catedral de Nossa Senhora da Conceição (Sé) no sábado, 8 de setembro, a partir das 17h com recepção das caravanas e show com Valdenísio. A partir das 18h haverá apresentações dos grupos da 5ª urgência da Diocese de Sobral (Igreja a serviço da vida plena para todos), trazendo situações de morte e ações de vida em sua realidade. O ápice do Grito será a santa missa presidida por Dom Vasconcelos às 19h30. A programação será encerrada com o Show da Banda Emanuel às 21h.

O evento pretende levar todos a gritarem junto àqueles que sofrem, que padecem, segundo o bispo diocesano Dom José Luiz Gomes de Vasconcelos. “Particularmente neste ano nós queremos centrar nossa atenção na desigualdade que gera violência. É grande a violência entre nós. São mulheres, jovens e homossexuais, idosos, pessoas assassinadas. Não podemos também nos esquecer dos nascituros, daqueles que ainda não nasceram, mas já são pessoas. Violência gera violência. A vida em primeiro lugar. Este é o nosso grito: A vida em primeiro lugar”, completa Dom Vasconcelos.

Programação especial terá início às 16h na Paróquia de Fátima, no bairro Sinhá Sabóia e seguirá até a Catedral de Nossa Senhora da Conceição (Sé)

Em comemoração ao dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, no dia 12 de outubro, a Diocese de Sobral realiza a III Edição da Caminhada com Maria. Em vídeo, o bispo diocesano Dom José Luiz Gomes de Vasconcelos, convocou todos os fiéis da Diocese de Sobral a se fazerem presentes. A programação terá início às 16h na Paróquia de Fátima, no bairro Sinhá Sabóia, com o Ofício da Imaculada Conceição e acolhida das paróquias e comunidades. Às 17h haverá a santa missa presidida por Dom Vasconcelos. Participarão as paróquias e comunidades de toda a Diocese. Na caminhada, haverá uma participação especial dos coroinhas e dos ministros da sagrada eucaristia.
A programação seguirá com caminhada luminosa com velas desde a Paróquia de Fátima até o Arco de Nossa Senhora onde ocorrerá a primeira parada. Haverá uma homenagem às crianças pela passagem do seu dia com a organização da catequese, da Infância Missionária e de outras pastorais e movimentos ligados às crianças. A caminhada seguirá para a Catedral de Nossa Senhora da Conceição (Sé) onde os fiéis entoarão a Consagração a Nossa Senhora e haverá a Bênção do Santíssimo Sacramento.
“Dia 12 de outubro é dia de festa no céu e na terra, dia da padroeira do Brasil, rainha e padroeira do Brasil. Nós queremos celebrar este dia. É também dia das crianças e nós também um dia fomos crianças e muitas são as crianças que nos rodeiam. Neste dia 12 de outubro, nós queremos caminhar com Maria. A Diocese de Sobral está promovendo a terceira edição da Caminhada com Maria. Maria, mãe dos caminhantes, ensina-nos a caminhar. Queremos Caminhar com Maria nos passos de Jesus”, ressalta Dom Vasconcelos em vídeo.
O bispo diocesano também relembrou a programação convidando todas as paróquias da Diocese de Sobral a se fazerem presentes. “Vamos com todo o povo de Deus caminhar juntos com Maria. Toda a Diocese de Sobral deve estar presente na III Edição da Caminhada com Maria. Dia 12 de outubro não é somente um feriado nacional, mas é um dia de oração e caminhada”, garante.
O tema da III Caminhada com Maria da Diocese de Sobral é “Maria, mãe da Vida e da Paz”. “O objetivo é homenagear Nossa Senhora Aparecida e fortalecer nossa identidade católica. Maria é rainha, padroeira do Brasil, mãe da Igreja e protetora milagrosa. A devoção a Nossa Senhora Aparecida é mais intensa no Sul e Sudeste e ainda não chegou forte no Nordeste”, ressalta Dom Vasconcelos. Neste ano, o tema central pede pela vida e pela Paz para o povo de Deus. “Queremos suplicar a Maria que interceda pelo nosso País em especial nestes tempos difíceis de mudança de Governo. Pedimos pela paz no Brasil”, completa.

III Caminhada com Maria da Diocese de Sobral
Quando: 12 de outubro a partir das 16h – Onde: Paróquia de Fátima, no bairro Sinhá Sabóia, em direção à Catedral de Nossa Senhora da Conceição (Sé)

Fonte: Correio da Semana

O presidente da Comissão Episcopal do Laicado e da Família de Portugal, Dom Joaquim Mendes, participou do Encontro Mundial das Famílias, em Dublin, Irlanda, e assinalou que o Papa Francisco levou ao evento uma mensagem “muito forte” contra os abusos cometidos por membros da Igreja.

Para o Prelado, o EMF, “por um lado, foi a vivência de uma Igreja que é família de famílias, e de uma Igreja que ama as famílias, mas depois há esse aspeto doloroso, que a Igreja carrega, de uma Igreja que é santa e pecadora”.

Dom Mendes comentou sobre o evento à ‘Agência Ecclesia’, do episcopado português, salientando que, além de uma “experiência marcante” de “alegria e beleza”, foi também de “sofrimento por toda a situação que a Igreja Católica está vivendo” em relação às denúncias de casos de abusos de poder, de consciência e sexual.

Durante o Encontro Mundial das Famílias que aconteceu de 21 a 26 de agosto em Dublin, o Papa Francisco esteve presente nos dois últimos dias e condenou os abusos cometidos por parte de membros da Igreja em diversas ocasiões, desde o seu primeiro discurso, diante das autoridades civis, até o último momento na Santa Missa de encerramento, quando pediu perdão durante o ato penitencial.

“O ato penitencial que o Papa fez na Missa final, eu estava a assistir, estava a concelebrar, foi muito forte”, declarou o também Bispo auxiliar de Lisboa.

Para o Prelado, foi importante o Pontífice ter abordado uma problemática que “toca a todos” os que fazem parte do “corpo eclesial”, que “confunde e envergonha”, mas que “é preciso olhar para ela”.

“O participar desta dor, desta situação toda muito penosa, marcou também este encontro. Ver a santidade da família, a beleza, a alegria, a esperança da família, o reacender do dom do matrimônio, ao serviço da vida e no testemunho do amor, mas por outro esta parte mais escura, esta sombra pesada”, assinalou Dom Mendes.

Entretanto, o Bispo ressaltou que “a Igreja não pode ficar no pecado”, e sim prosseguir no desenvolvimento de mecanismos que permitam prevenir mais situações de abuso, ou de encobrimento de abusos.

“Há muita gente santa, que dá a vida e que defende a dignidade humana, que defende a dignidade dos pobres, das crianças. Não podemos tomar uma parte pelo todo”, acrescentou.

O testemunho de famílias

O presidente da Comissão Episcopal do Laicado e da Família também destacou a participação e o testemunho deixado por tantas famílias durante o EMF.

“Foi admirável ver famílias inteiras com três, quatro, cinco filhos, com os pais, algumas traziam também os avós. Pessoas que amam, que valorizam a família, que têm uma experiência de família. E neste sentido são também uma luz e uma esperança para a Igreja e para o mundo”, declarou à ‘Agência Ecclesia’, do episcopado português.

Além disso, afirmou ter sido “muito interessante ouvir o testemunho de famílias a dizerem que se reencontraram na Amoris Laetitia”. “E estou certo que os casais que participaram vieram tocados e reforçados na sua vivência e realidade como esposos e como famílias”, comentou.

Por fim, Dom Joaquim Mendes expressou o desejo de “que estas famílias contagiem outras na descoberta da família como caminho de amor, como comunidade, como Igreja doméstica, como espaço de crescimento e de realização”.

“Nós temos de reforçar, a todos os níveis, social, político, temos de reforçar as famílias e apoiar as famílias e acompanhar as famílias para que elas possam cumprir a sua missão de cuidar da vida dos filhos, acompanhar, proteger, defender. Isto é uma missão de todos”, concluiu.

Fonte ACI

A Pastoral Judiciária e o processo de declaração de nulidade matrimonial foi tema de um Seminário organizado pela Região Episcopal Sede, Pastoral Familiar Diocesana e Câmara Eclesiástica de Sobral. O seminário foi realizado no Auditório Dom Walfrido da Cúria Diocesana desde a sexta-feira, 24 de agosto, até sábado, 25 de agosto. O público-alvo são padres, secretários paroquiais, agentes da pastoral familiar, Encontro de Casais com Cristo (ECC), Equipes de Nossa Senhora (ENS), Novas Comunidades e demais interessados.

O  presidente do Tribunal Eclesiástico Regional e de Apelação do Ceará (Terace), Pe. Antonio Carlos, explica que o seminário é importante para fortalecer a pastoral judiciária. “O trabalho da pastoral judiciária é também de escutar as pessoas e orientá-las”, ressalta.

A programação também faz eco com a Semana da Família, já que busca abordar os casos especiais de famílias em situação irregular, segundo o vigário episcopal da Região Sede e juiz auditor da Câmara Eclesiástica, Pe. Agnaldo Temóteo. “O Seminário evidencia uma preocupação e uma necessidade da Igreja de acolher e mostrar um cuidado materno. Esses casais são acolhidos na Igreja e acompanhados para que possam viver e educar seus filhos na fé”, garante.

Francisco encontra jornalistas no voo papal de retorno a Roma: responde a sete perguntas

O espaço para dizer o que neste momento carrega no coração – oferecer um pensamento sobre a viagem que acaba de terminar – Francisco tira para si mesmo no final, depois de mais de 40 minutos dedicados a temas ditados pela crônica do dia e pelo interesse de seus interlocutores. A sua não é uma verdadeira resposta, porque tecnicamente não havia dúvida, mas é todavia a convicção que o Papa traz consigo depois de dois dias intensos. “Eu encontrei muita fé na Irlanda”, disse aos jornalistas no voo de Dublin a Roma. Os irlandeses sofreram muito por causa dos escândalos, mas sabem distinguir, disse, “a verdade das meias-verdades”, como lhe disse algumas horas antes um bispo. E se no “processo de cura em andamento” há coisas que parecem afastar da fé, essa fé permanece sólida.

“Não direi uma palavra”
As sete perguntas que precedem a resposta não solicitada de Francisco são como planetas que giram em torno do sol trágico dos abusos. O que chama a atenção dos ouvidos e faz escrever mais freneticamente no teclado do computador é a resposta que o Papa dá ao caso do dia. O segundo dia em Dublin começou com o documento do ex-núncio apostólico nos Estados Unidos, o arcebispo Carlo Maria Viganò, que chama em causa o Papa no episódio do Card. McCarrick, acusado de assédio sexual contra jovens seminaristas. Francisco é breve e convida os jornalistas a tirarem suas próprias conclusões. “Eu sinceramente digo isto: leiam com cuidado e façam o seu próprio julgamento. Não vou dizer uma palavra sobre isso. Creio que o documento fala por si “.

Em vez disso, fala e explica outros aspectos delicados e complexos, como a modalidade de levar ao tribunal um bispo acusado de abuso. Rejeita com delicadeza o desejo de Marie Collins – ex-membro da Pontifícia Comissão instituída para combater o fenômeno e vítima ela mesma de violências por um padre irlandês – de criar um tribunal especial, conforme indicado no Motu proprio “Como uma mãe amorosa”. Na realidade, temos visto, disse Francisco, que mais do que um júri, é mais eficaz a criação de um colégio “ad hoc” para cada caso. “Funciona melhor assim”, assegura o Papa, que recorda como o último a ser submetido ao tribunal foi o arcebispo de Guam e que outro procedimento está em andamento.

Vatican News