Educadora 950

Educadora 950

 A Rádio da Família Cristã

As crianças de diferentes lugares do mundo que são atendidas diariamente pelo Dispensário Pediátrico Santa Marta foram os organizadores da festa antecipada de 82 anos do Papa Francisco, realizada na Sala Paulo VI no Vaticano. O Santo Padre, que completa 82 anos hoje, 17 de dezembro, comemorou durante uma hora no último domingo com as 150 crianças que o dispensário atende gratuitamente, seus pais, as famílias, médicos e voluntários que servem no local, liderados pela Irmã Antonietta Colacchi, da Congregação das Filhas da Caridade. Francisco chegou à Sala Paulo VI às 10h30 e escutou o testemunho dos voluntários e das famílias. O Papa não queria se sentar na sede que costuma usar no local, mas se sentou ao lado da irmã Colacchi em uma das arquibancadas da Sala. Duas mães, uma peruana e uma muçulmana, compartilharam com o Papa a experiência de ver seus filhos atendidos no dispensário que acolhe pessoas do mundo inteiro, de diferentes religiões ou de qualquer outro tipo. Uma das crianças, o pequeno Giacomo, desejou ao Papa um feliz aniversário em nome de seus companheiros. Os presentes também cantaram "Com licença, desculpas, obrigado", uma canção criada para esta ocasião por Ludovico Sacco, Diretor do coral de Rovereto. O nome da canção surgiu a partir das palavras do Papa incentiva as famílias a viverem. Também apresentaram um vídeo que mostra o trabalho diário do dispensário e apresentaram ao Papa vários volos, entre elas um da cúpula de São Pedro e outro no qual colocaram 82 velas que o Pontífice apagou depois de cantarem parabéns. O bolo em que colocaram as velas estava em cima de uma mesa na qual estava escrita na seguinte frase: "Não podemos nos acostumar às situações de degradação e de miséria que nos cercam. Um cristão deve reagir". O Pontífice também deu de presente às crianças algumas bolsas de Natal cheias de doces. Os participantes também compartilharam um almoço no qual entregaram diversos presentes às crianças e onde cada família recebeu um panetone, o clássico pão natalino italiano. Em suas palavras improvisadas antes de ir embora para presidir a oração do Ângelus, o Papa Francisco disse que com as crianças é possível aprender a "abaixar-se" para compreender as pessoas e a vida. Fonte: ACI
O Papa Francisco convidará um grupo de pobres a participar de um almoço de Natal na próxima terça-feira, 18 de dezembro, em Roma. O almoço, organizado pela Esmolaria Apostólica, será realizado no Centro Esportivo da Polícia Fiscal, em Castelporziano. As pessoas convidadas pelo Papa são pobres, pessoas desabrigadas, imigrantes e pessoas em situação de exclusão que recebem atenção da Cáritas na Diocese de Roma. A iniciativa conta com a colaboração ativa do Centro Esportivo onde será realizado o almoço, pois serão os próprios atletas que treinam neste local que cozinharão e servirão a refeição aos convidados. Segundo informou o Vaticano através de um comunicado da Sala de Imprensa, o objetivo deste momento “é compartilhar com todos um dia de festa, marcado pela diversão que o esporte pode oferecer em um clima de família”, também com presentes simbólicos. Além disso, os presentes serão distribuídos como símbolo de solidariedade e acolhida na época do Natal. Neste comunicado, também informaram que este almoço será possível graças à iniciativa promovida pela Athletica Vaticana, a representação atlética da Santa Sé, com a intenção de relançar o apelo do Papa Francisco de viver o Natal priorizando a solidariedade e a atenção concreta às pessoas mais necessitadas. “E é um testemunho de caridade e fraternidade através da linguagem do esporte que, por sua natureza, prevê a inclusão e o respeito da dignidade dos mais necessitados”, concluiu o comunicado. Fonte: Notícias Católicas
Segunda, 17 Dezembro 2018 13:55

Becco ponto Com

Das ofertas do Black americanizadas. das fofocas sobre a farra do iptu aqui. do puxa encolhe da eleição da Câmara. do dormitório no becco para drogados. dos tais puxa sacos por amor na cidade. do guarany virando moeda da política. da violência mata e morre nos bairros. do lixo jogado pela população nas ruas. do crime ambiental na nossa meruoca. do poder do mito virando quarteis, ufa! Noticiando O centro cultural agendando para o mês de dezembro as suas últimas homenagens do ano a entrega do troféu imprensa 2017 em grande estilo na cidade. a tupinambá FM e o radialista rui silva receberão no becco tal comenda justa pelo trabalho encetado em prol do rádio sobralense há décadas. será a festa do ano, o troféu que leva o nome do comunicador do Século josé maria soares. Dizem por aí: que existe um esforço hercúleo na construção de uma nova história para o nosso país, que mergulhado em total estado de corrupção ativa, atina já para uma saída desta crise dominante. Os tais políticos sem ética bradam nas casas legislativas a fim de se salvarem das prisões frequentes, ufa! O digno humorista e radialista sobralense Tupinambá marques, mudando de prefixo, o programa sábado de todas as maneiras da paraiso para a Tupinambá fm. com o aval de zeca aquino diretor e de ivo loiola, no mês de dezembro com sucesso total. O programa do ivan Frota voltou de vez a movimentar o becco aos sábados na cidade com sucesso. Agora com apoio do jornalista Marques Araújo, o repórter da revista alternativa, tv, aabc e o ccdjosE. GALERIA – Ruy Brito Silva: um cidadão com todas as letras, digno homem de imprensa, primeiro diretor de rádio FM da região norte, comunicador por excelência, assessor de comunicação do município, mestre de cerimônia. Falo do caro amigo do Becco, Rui Silva, que por méritos figura na galeria do Correio da Semana, desta semana em nossa coluna. EM ALTA: ao Becco do Cotovelo, aos sábados, com seu show ao vivo e a cores, com cobertura da fm Tupinambá 100.3, para toda região. em baixo: o desmatamento da Serra da Meruoca, em prol da grilagem sem freio dos loteamentos urbanos. Com a palavra quem de direito para punir tais crimes ambientais na nossa região. livre pensar: “A solidão como a dor traz no âmago da vida um desalento no amor”. Poeta Chico Prado (presidente do centro Cultural Dom José de Sobral. Fonte: Correio da Semana
Reunindo cerca de três mil participantes nos 11 dias de retiro espiritual, a Capela de Nossa Senhora das Graças da Medalha Milagrosa, da Paróquia da Sé, no Complexo do Abrigo Sagrado Coração de Jesus, em Sobral, encerrou a festa de sua padroeira, realizada entre os dias 17 a 27 de novembro. O tema deste ano foi “Santíssima Mãe, dai-nos a Graça de sermos fiéis Discípulos e Missionários de Teu Filho”. “A festa foi muito boa. A Igreja esteve sempre lotada. Buscamos partir de cada subtema entrar ao máximo nessa dimensão da devoção a Nossa Senhora das Graças”, destacou o capelão da Capela Nossa Senhora das Graças, Pe. Fábio Mota. No dia 27, encerramento da festa, houve a Procissão com Nossa Senhora das Graças às 18h e Santa Missa. A capela atrai diariamente um público numeroso nas missas de segunda a sábado às 6h30, aos sábados também às 18h e nos domingos, às 8h. Todos os dias 13, há santa missa ao meio-dia. Na primeira quinta-feira de cada mês, tem um momento de adoração e encontro de formação para os que fazem parte da equipe da capela. Fonte: Correio da Semana
“Não se perturbe teu rosto, teu coração... Não estou eu aqui, tua Mãe?”, disse a Virgem de Guadalupe ao aflito Juan Diego em 12 de dezembro de 1531. Ela, a Padroeira da América e do México, quis deixar sua imagem desde esse dia em uma singela “tilma” como sinal do amor de Deus para com os crentes e não crentes. Somente dez anos depois da conquista do México, os missionários tinham pouco êxito na evangelização e conversão dos novos povos, em grande parte pelo mau exemplo dos que, chamando-se cristãos, abusavam dos nativos. Em 9 de dezembro de 1531, a Virgem apareceu a um humilde índio convertido ao cristianismo, chamado Juan Diego, em um lugar denominado Tepeyac. Maria se apresentou como “a perfeita sempre Virgem Santa Maria, Mãe do verdadeiro Deus”. A Rainha do Céu lhe encomendou que, em seu nome, pedisse ao Bispo, o franciscano Juan de Zumárraga, a construção de uma Igreja no lugar da aparição. O Bispo não aceitou a ideia e a Virgem pediu a Juan Diego que insistisse. No dia seguinte, ele voltou a encontrar o Prelado, que o examinou na doutrina cristã e lhe pediu provas objetivas do prodígio. Na terça-feira, 12 de dezembro, a Virgem apareceu e consolou Juan Diego, dizendo: “Não tema…”, porque seu tio já estava curado. Logo, convidou-o a subir ao topo da colina de Tepeyac para colher algumas flores e trazê-las para Ela. Apesar da estação de inverno e da aridez do lugar, São Juan Diego encontrou flores muito belas e colocou-as em sua “tilma”. A Virgem, então, mandou que ele as apresentasse ao Bispo. Estando na frente do Prelado, o santo abriu sua “tilma” e deixou cair as flores. Na manta apareceu a imagem da Virgem de Guadalupe. O Bispo e os demais presentes caíram de joelhos com grande assombro. Em seguida, o Bispo pediu perdão. No dia seguinte, foram ao monte Tepeyac, onde imediatamente as pessoas se ofereceram para elevar o templo. Juan Diego pediu permissão e foi pressurosamente ver seu tio Juan Bernardino, que tinha estado com a saúde muito debilitada. Ao chegar, viu que seu parente estava recuperado. Ali, Juan Diego lhe contou o acontecido e o tio respondeu dizendo que a Virgem também lhe tinha aparecido e que havia pedido que contasse ao Bispo sobre sua cura. Com o manto, a Virgem trouxe reconciliação entre nativos e espanhóis porque, com os símbolos que ali apareciam, as duas culturas podiam entender perfeitamente a mensagem do Céu. Do mesmo modo, ajudou-lhes a compreender que a fé cristã não é propriedade de ninguém, a não ser um dom de amor para todos. Nos 7 anos depois das aparições, houve uma conversão de 8 milhões de nativos – o que representa uma média de 3 mil homens por dia e que faz recordar a pregação de São Pedro no dia do Pentecostes, no qual também se converteram 3 mil homens. A cada ano, aproximam-se da venerada imagem cerca de 20 milhões de fiéis e, no dia de sua festa, calcula-se que quase três milhões vão ao santuário. “Quero muito, ardo de desejo de que aqui tenham a bondade de construir-me um pequeno templo, para ali O revelar a vocês, engrandecendo-O e entregar vocês a Ele, a Ele que é todo o meu amor, a Ele que é meu olhar compassivo, Àquele que é meu auxílio, Àquele que é minha salvação”, disse a Virgem do Guadalupe a São Juan Diego. “Porque em verdade, tenho a honra de ser a mãe misericordiosa de todos vocês; tua e de todos os povos aqui nesta terra unidos e dos demais diferentes homens, que me amam, os que a mim clamam, os que me buscam, os que me honram confiando em minha intercessão. Porque ali estarei sempre disposta a escutar seu pranto, sua tristeza, para purificar, para curar todas as suas variadas misérias, suas penas, suas dores”, acrescentou a Mãe das Américas. Fonte: ACI
Após o tiroteio que resultou na morte de cinco pessoas na tarde de terça-feira, 11 de dezembro, na Catedral de Campinas (SP), a Arquidiocese local emitiu uma nota na qual repudia todo tipo de violência e convida todos a promoverem a paz. A tragédia ocorreu por volta das 13h15 de terça-feira, quando um homem identificado como Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, ingressou na Catedral de Nossa Senhora da Conceição, portando uma pistola automática 9mm e um revólver calibre 38, e atirou contra as pessoas que estavam no templo. O caso ocorreu logo depois da Missa das 12h15 e havia entre 18 e 20 pessoas dentro da Catedral. Quatro pessoas faleceram e outras quatro ficaram feridas. Após o início dos disparos, policiais militares e guardas municipais entraram na Catedral e um dos agentes disparou contra o sujeito, o qual se matou em seguida. “Lamentamos profundamente o ocorrido. Sofremos com as pessoas que neste momento choram a morte de seus amigos, irmãos e parentes. Pedimos a oração de todos para que estas famílias encontrem em Deus o conforto e a paz”, afirma nota publicada pela Arquidiocese de Campinas. “Repudiamos todos os atos violentos e pedimos que agora, mais do que nunca, sejamos todos promotores da paz”, acrescenta. Segundo a Arquidiocese, a Catedral “permanecerá fechada até às 12h” desta quarta-feira, 12 de dezembro e, “às 12h15, será celebrada uma missa em sufrágio das almas dos fiéis falecidos”. “Convidamos a todos para este momento de oração e vigília, pedindo a intercessão da Imaculada Conceição para todos!”, conclui. Manifestações de solidariedade Após o ocorrido, diferentes Dioceses e várias pessoas expressaram a sua solidariedade à Arquidiocese de Campinas, bem como aos familiares e amigos das vítimas. Por sua vez, o prefeito local, Jonas Donizette, decretou luto oficial de três dias. O Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), ao qual pertence a Arquidiocese de Campinas, assinalou em nota que, “como discípulos de Cristo e membros do Seu Corpo, a Igreja, sofremos com os que sofrem, sempre movidos pela esperança que não decepciona (Rm 5,5)”. Os arcebispos e bispos do Regional apresentaram “ao sr. Administrador Diocesano de Campinas, Revdo. Mons. José Eduardo Meschiatti, ao Revdo. Pároco da Catedral, ao Clero e fiéis da Arquidiocese de Campinas, sentimentos de solidariedade e orações” pelo caso. “Nesse tempo santo do Advento, preparando o Natal de Jesus Cristo, Príncipe da Paz, é necessário que os cristãos intensifiquem a oração pela Paz, com gestos concretos de Fraternidade, reconciliação e amor ao próximo, depondo as armas da violência seja das mãos, seja dos corações”, acrescentou o texto. “Rezemos pelas vítimas e pelo consolo de suas famílias. Rezemos pelo agressor, pela Arquidiocese de Campinas e pela Paz”, concluiu. Também o Regional Leste 1 da CNBB, juntamente com a Arquidiocese do Rio de Janeiro, emitiu uma nota de solidariedade, publicada no Twitter do Arcebispo do Rio e presidente do Regional, Cardeal Orani Tempesta. “Em unidade e comunhão com toda igreja, nos unimos com a dor e em oração dos familiares das vítimas, e pedimos pela recuperação dos feridos. Rezamos também pela Arquidiocese de Campinas, suplicando a Deus que, apesar deste tempo de violência que marca nossa história, não deixemos de ser instrumentos de paz”. “Que as vítimas descansem em paz e que seus familiares encontrem em Deus a paz tão necessária para este momento!”, finalizou. Fonte: ACI
O Papa Francisco nomeou Bispo da Diocese de Apucarana (PR), nesta quarta-feira (12/12), o mons. Carlos José de Oliveira, do clero da Arquidiocese de Botucatu (SP), até agora vigário-geral e pároco do Santuário de Nossa Senhora da Piedade, em Lençóis Paulista (SP). Mons. Carlos nasceu em 17 de outubro de 1967, em Botucatu. Estudou Filosofia e Teologia na Pontifícia Faculdade Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo. Em 1996, obteve o Mestrado em Teologia Moral na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, e o Doutorado em Teologia Dogmática na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, em 2016. Em 4 de outubro de 1992, foi ordenado sacerdote, incardinando-se na Diocese de Mogi das Cruzes (SP), na qual desempenhou os seguintes cargos: administrador paroquial de Nossa Senhora da Paz, em Mogi da Cruzes (1992-1994), reitor do Seminário Propedêutico (1992-1994), coordenador da Pastoral Vocacional 1992-1994), e secretário do Conselho Presbiteral (1992-1994). Em 1996, foi incardinado em Botucatu, onde exerceu as seguintes funções: assessor arquidiocesano da Pastoral Familiar (1997-1999 e 2002-2007), responsável da informação arquidiocesana (1999-2005), coordenador arquidiocesano da Pastoral (2001-2009); secretário executivo de pastoral da Província Eclesiástica de Botucatu (2003-2005), coordenador do II Congresso Eucarístico Arquidiocesano (2008), coordenado do Conselho Presbiteral (2001-2007), coordenador do Conselho Presbiteral (2001-2007), membro do Conselho de Formação (desde 2001), e professor do Instituto Teológico da Faculdade João Paulo II da Província Eclesiástica de Botucatu, com sede em Marília (desde 1997). Em 4 de outubro de 2007, foi incluído entre os Capelães de Sua Santidade. Atualmente, é vigário-geral (desde 2016), pároco e reitor do Santuário Nossa Senhora da Piedade, em Lençóis Paulista (desde 1996), membro do Conselho Presbiteral e do Colégio de Consultores. O Bispo da Diocese de Leopoldina (MG), dom José Eudes Campos do Nascimento, foi transferido para a Diocese de São João del Rei (MG), nesta quarta-feira (12/12). Dom José Eudes nasceu em 30 de abril de 1966, em Barbacena (MG), na Arquidiocese de Mariana (MG). Estudou Filosofia no Instituto de Filosofia dos Padres Salesianos em São João del Rei (1988) e no Instituto de Filosofia Santo Tomás de Aquino, em Belo Horizonte (1989-1990). Estudou Teologia no Seminário Maior São José da Arquidiocese de Mariana (1991-1994). Foi ordenado sacerdote em 22 de abril de 1995, e incardinado na Arquidiocese de Mariana, na qual desempenhou os seguintes cargos: vigário-paroquial de Nossa Senhora da Conceição, em Congonhas (MG), pároco das Paróquias de São Gonçalo do Amarante, em Catas Altas da Noruega (MG), de Nossa Senhora do Rosário, em Rio Pomba (MG), e de Santa Efigênia, em Ouro Preto (MG), assessor arquidiocesano da Pastoral da Juventude, diretor espiritual do Seminário Maior, membro do Conselho Presbiteral e do Colégio de Consultores, representante dos presbíteros da arquidiocese nos organismos eclesiais regionais e nacionais, e vigário episcopal. Em 27 de junho de 2012, foi nomeado Bispo de Leopoldina, recebendo a ordenação episcopal em 15 de setembro do mesmo ano. Fonte: Site Notícias Católicas
O Secretário de Estado do Vaticano se pronunciou durante a conferência e falou sobre as preocupações da Santa Sé Em pronunciado oficial, o Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Pietro Parolin, lembrou a importância do Pacto Global sobre Migração, em conferência que está sendo realizada na cidade de Marraquexe, no Marrocos, nesta segunda-feira, 10. Intitulado como Pacto Global para uma Migração Segura, Ordenada e Regular (GCM), o documento foi adotado pela Organização das Nações Unidas (ONU). “Como temos visto nos anos mais recentes, quando esses desafios não são bem guiados, crises podem se formar, o discurso retórico pode encobrir a razão e os migrantes podem acabar sendo vistos mais como ameaças do que como irmãos e irmãs que precisam de solidariedade e serviços básicos”, disse Parolin. Para o Secretário de Estado do Vaticano, o Pacto Global Sobre Migração deve ser encarado como uma ferramenta de auxílio a toda comunidade global. “Este pacto ajudará a prevenir crises e tragédias”, assegura Parolin. “Ao mesmo tempo, também procura melhorar a governança da migração, que deve aumentar à medida que a comunidade internacional se torna mais interconectada econômica, social e politicamente”, reiterou. O Papa Francisco sempre tem dedicado boa parte de seu pontificado para lembrar do quão importante é o cuidado para com estas pessoas que deixam sua terra natal em busca de uma vida melhor em outro país. “A Santa Sé apela aos governos e à comunidade internacional como um todo para que promovam condições que permitam que comunidades e indivíduos vivam em segurança e dignidade em seus próprios países”, diz Parolin. A Santa Sé, no entanto, fará algumas ressalvas com relação ao documento aprovado. “A Santa Sé apresentará suas reservas em seu tempo devido, especificamente sobre os documentos do Pacto que contêm terminologia, princípios e diretrizes que utilizam uma linguagem não acordada, como certas interpretações ideológicas dos direitos humanos que não reconhecem o valor inerente e a dignidade da vida humana em todas as fases de seu início, desenvolvimento e fim”, detalhou Parolin. Nações importantes como os Estados Unidos, Áustria, Hungria, Chile, República Dominicana, Polônia e Eslováquia se recusaram a participar desta conferência. Enquanto isso, Bulgária, Estônia, Itália, Israel, Eslovênia e Suíça estão indecisos sobre concordar com o Pacto Global. “Embora alguns Estados tenham decidido não participar do processo ou nesta Conferência Intergovernamental, a Santa Sé está convencida de que os enormes desafios que a migração representa são mais bem enfrentados por meio de processos multilaterais, em vez de políticas isolacionistas”, acrescentou o representante vaticano. Apesar da recusa desses países, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse que a soberania desses países será integralmente respeitada. “Esperamos que todas as partes possam trabalhar juntas por meio da cooperação internacional para encontrar uma solução ordenada para a questão da migração”, disse o porta-voz da Agência de Migração da ONU, Leonard Doyle. O Secretário de Estado do Vaticano explicou ainda que apesar da recusa de algumas nações, este novo acordo mostra um grande avanço em direção aos mais necessitados que enfrentam dificuldades para ter uma vida estável e segura em seus países de origem. “Por estas razões, o Pacto Global para uma Migração Segura, Ordenada e Regular é um avanço significativo na responsabilidade compartilhada da comunidade internacional de agir em solidariedade com as pessoas em movimento, especialmente aquelas que se encontram em situações muito precárias”, finalizou Parolin. Ainda que algumas nações tenham se recusado a integrar este acordo, mais de 160 países adotaram formalmente o Pacto Global pela Migração. Fonte: Canção Nova
Distinção foi atribuída pela Assembleia da República no âmbito das Comemorações dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e dos 40 anos da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos Humanos. A Obra Vicentina de Auxílio aos Reclusos (OVAR), uma instituição católica do Conselho Central do Porto da Sociedade de S. Vicente de Paulo, entre as mais de 300 conferências vicentinas que aquela diocese integra, foi a vencedora do Prémio Direitos Humanos 2018. Uma iniciativa da Assembleia da República que atribuiu também medalhas de ouro a pessoas e instituições da sociedade civil pelo papel que desempenham na defesa da dignidade dos mais desfavorecidos. Distinções atribuídas na cerimónia que decorreu esta 2ª feira, 10 de dezembro, no parlamento português, à Associação ‘Letras Nómadas’, um organismo empenhado na investigação e dinamização das comunidades ciganas, à Orquestra Geração, que combate o insucesso e o abandono escolar através do ensino da música, e ainda à jornalista Joana Gorjão Henriques, pelo seu trabalho de reportagem relacionado com os direitos humanos. Na sessão, na sala do Senado, usaram da palavra, antes do Chefe de Estado, o Presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, o Comissário das Comemorações dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e dos 40 anos da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos Humanos, Vital Moreira, e a Professora Catedrática da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, Teresa Pizarro Beleza. Na sua intervenção, o Presidente da República lançou alguns alertas na defesa dos direitos humanos, criticando desde logo os "protagonistas cimeiros" que agora esquecem os direitos humanos. "Por isso, se impõe falar sempre de direitos humanos, qualquer que seja o interlocutor, cá dentro e lá fora, que nos visite e que visitemos", disse Marcelo Rebelo de Sousa, que recebeu na última semana o Presidente da China, Xi Jinping, e com quem abordou o tema dos direitos humanos tendo sublinhado a necessidade de uma cooperação no plano internacional nesta matéria. Para o Presidente da República, “nenhum Estado de direito pode encarar com sobranceria a tarefa cívica da sua constante afirmação por palavras, mas sobretudo por atos”. “Nenhuma democracia pode considerar-se plena nem sequer duradoura se por ela não tiver democratas a trabalhar”, disse Marcelo Rebelo de Sousa que enalteceu a ação da Obra Vicentina que é «porto de abrigo» para os reclusos. Um trabalho “que nos recorda nestes dias, mais do que nunca, que não há nada nem ninguém que pode sacrificar direitos fundamentais de cidadãos que são iguais na essência da sua cidadania e na sua dignidade como pessoas, a todos os demais portugueses”, precisou o Chefe de Estado Português. Fonte: Vatican News
Um homem invadiu a Catedral de Campinas (SP) na tarde desta terça-feira, 11 de dezembro, atirando, matou ao menos quatro pessoas e logo depois se suicidou; quatro pessoas também ficaram feridas. Segundo informações da Polícia Militar de Campinas, o homem entrou na Catedral por volta das 13h25 e fez os disparos. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o homem teria ingressado no templo com uma pistola e um revólver calibre 38 e teria se suicidado em frente ao altar, após o crime. Até o momento, não foram divulgados os nomes das vítimas nem o do responsável pelo atentado. Em nota publicada em sua página de Facebook, a Arquidiocese de Campinas lamentou o ocorrido e pediu que todos se unam em oração. “Um tiroteio deixou pelo menos cinco pessoas mortas e outras quatro feridas no começo da tarde desta terça-feira (11), dentro da Catedral Metropolitana de Campinas, no Centro da cidade, segundo informações do Corpo de Bombeiros. Ainda não se sabe a motivação”, assinala a nota. “A Catedral segue fechada para atendimento das vítimas e a investigação da Polícia. Assim que dispusermos de mais informações, as disponibilizaremos. Contamos com as orações de todos neste momento de profunda dor”, conclui.. Em declarações à imprensa, o major Paulo Monteiro, do Corpo de Bombeiros, afirmou que ainda não se sabe a motivação do crime e que no momento a principal preocupação é o atendimento aos sobreviventes. “Não se sabe se tinha missa nesse horário. Mas, pelo horário, havia um fluxo de pessoas, tinha bastante gente na igreja. Os socorros já foram feitos, e os óbitos, detectados”, afirmou o major. De acordo com informações disponibilizadas no site oficial da Catedral de Campinas, há um horário de Missa às 12h15 de segunda a sexta-feira. Os feridos foram encaminhados ao Hospital Mário Gatti, Beneficência Portuguesa e Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp. O estado de saúde de cada um deles não foi divulgado. Fonte: ACI