Diocese

Diocese (217)


Ministério da Saúde atribui alta ao surto de zika e aos fatores negativos da crise econômica.  Em Sobral, não houve casos da doença, mas a recessão econômica preocupa

A mortalidade infantil, que vinha apresentando índices de redução constantes desde a década de 1990, voltou a crescer. As principais causas apontadas foram o surto de zika vírus e a crise econômica. Nacionalmente, segundo dados do Ministério da Saúde, foi registrado um aumento de 4,8% no índice em 2016 na comparação com 2015; foram 14 mortes a cada mil nascidos em 2016 contra 13,3 mortes (a cada mil) registradas em 2015. No Ceará, o índice de mortalidade infantil no Ceará foi de 14,3 óbitos a cada 100 mil habitantes em 2016 enquanto no ano anterior foram 13 óbitos por grupo de 100 mil habitantes. Em Sobral, a taxa fechou em 7,8% em 2017, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, o que mostra a continuidade de uma tendência de queda.

A alta pode ser explicada pelo surto de vírus zika, que afetou principalmente as crianças, conforme a Secretaria da Saúde do Ceará. O vírus, se contraído por uma gestante, pode ocasionar microcefalia no bebê, o que pode levar à morte da criança. Em 2016, o Ceará teve 96 casos de microcefalia.

Em Sobral, a mortalidade continua em queda, mas já há um risco maior para as famílias e para as crianças: a crise econômica. E a população já tem sentido esses efeitos, segundo a ajudante de produção Marcilane dos Santos Silva, 30, mãe de duas crianças de três e oito anos. “A crise diminui o volume de dinheiro para comprar alimentos, para a limpeza, para gastar com saúde. O desemprego aumenta e tudo fica mais caro, principalmente os produtos para as crianças”, lamenta. Ela disse que se a situação de crise continuar no Brasil, as crianças podem voltar a morrer de fome ou em virtude das doenças. “Quem é prejudicado é o povo”, diz.

Redução da

mortalidade

Para incentivar a redução da mortalidade infantil em Sobral, a prefeitura criou desde 2001 a Estratégia Trevo de Quatro Folhas. O objetivo é criar políticas que contemplem as gestantes, puérperas e crianças de até 2 anos, reduzindo a mortalidade materna e infantil. Gerente do Trevo, o enfermeiro Carlos Romualdo ressaltou que a elevação dos índices de mortalidade não se observaram em Sobral porque não houve casos confirmados de zika. Além disso, a crise econômica não mostrou seus efeitos devastadores como em outras partes do País. “Não tivemos surto de zika e nossa estratégia de atenção à saúde materna e infantil tem conseguido manter a trajetória de redução da mortalidade”, garante Carlos Romualdo.

O gerente explicou que o Trevo conta com 4 enfermeiros, 2 assistentes sociais, 1 psicólogo, 2 médicas para acompanhar 246 pessoas entre gestantes, puérperas e crianças de até 2 anos. A estratégia possibilitou que a taxa de mortalidade caísse de 54,67 mortes a cada mil nascidos em 1996 para 7,8 em 2017. Dentro do Trevo de Quatro Folhas, existe o projeto Flor do Mandacaru que conta com apoio psicológico e médico para adolescentes de 10 a 19 anos desenvolvendo estratégias de saúde sexual e reprodutiva com o objetivo de evitar gravidez indesejada e DST/Aids.

O projeto Coala, que existe desde 2013, acompanha bebês prematuros até que consigam ganhar peso. “Todos os prematuros nascidos de partos antes dos sete meses e abaixo de 2 kg são acompanhados independente das condições socioeconômicas da família”, ressalta. Foram atendidos 83 bebês este ano até junho.

Além disso, segundo Romualdo, são desenvolvidas ações para reduzir a mortalidade materna. “A cada ano, em média uma mulher morre e queremos zerar essa taxa melhorando sempre a qualidade do pré-natal, de atenção ao parto e ao pós-parto”, ressalta. Também são oferecidas em parceria com outras instituições cestas básicas para as gestantes e puérperas com dificuldades econômicas. Para as puérperas, há o apoio do projeto mães sociais, mulheres da comunidade que recebem uma gratificação para auxiliarem as mães que necessitem de ajuda no ambiente familiar ou hospitalar.

Taxa de mortalidade infantil no Brasil, Ceará e Sobral

Brasil

1996 – 25,47

2016 – 14

Ceará

1996 –  37,35

2016 – 14,3

Sobral

1996 – 54,67

2017 – 7,8

Mortalidade

Assunção Braga Sousa, 51, massagista

A crise econômica e o consequente desemprego gerado podem aumentar os índices de mortalidade das crianças, segundo a massagista Assunção Braga Sousa, 51. “As condições vão ficando piores para os pais e também para as crianças devido o desemprego. Falta dinheiro para comprar comidas e nem sempre o posto tem médico”, lamenta. Ela disse ainda que a inflação está aumentando e mesmo quem está empregado está precisando apertar as contas porque tudo está mais caro.

Podem enviar projetos para o FDS entidades que preferencialmente trabalhem com a temática proposta pela Campanha da Fraternidade 2018 – “Fraternidade e superação da violência”

Agressão, discriminação, abuso, tortura, coerção, bullying. Muitos são os tipos de violência que assolam a sociedade e prejudicam as relações entre as pessoas. Atenta ao problema que está diretamente ligado às principais mazelas sociais, a Igreja Católica propôs para este ano a discussão da temática “Fraternidade e Superação da Violência” na Campanha da Fraternidade. Na Diocese de Sobral, além de trazer a problemática para o debate, estão sendo desenvolvidas ações concretas nas pastorais sociais e em instituições como a Fazenda da Esperança. Além disso, foi lançado o edital do Fundo Diocesano de Solidariedade da Diocese de Sobral destinado a projetos cujo principal objetivo seja a superação da violência.

Podem enviar projetos para o FDS entidades sociais sem fins lucrativos e/ou de apoio movimentos sociais que estejam habilitados preferencialmente a trabalhar com a temática proposta pela CF 2018 – “Fraternidade e superação da violência” e que estejam com a situação fiscal regular. O objetivo do edital do Fundo Diocesano de Solidariedade é “proporcionar às paróquias, pastorais e organismos o acesso aos recursos do FDS. Queremos trabalhar em prol de uma sociedade justa e fraterna com os nossos irmãos carentes e necessitados em busca de uma sociedade justa, fraterna, cristã e humanitária, assim possibilitando alternativas para gerar trabalho, renda e formação”, ressalta o bispo diocesano Dom José Luiz Gomes de Vasconcelos e Maria do Socorro de Jesus da Cáritas Diocesana de Sobral/Comissão do FDS no edital.

A Igreja tem demonstrado uma perene preocupação com a superação da violência, segundo o chanceler da Cúria Diocesana, Pe. Agnaldo Temóteo da Silveira. “A Igreja demonstra preocupação com a violência desde sempre. Neste ano, com a Campanha da Fraternidade, tem promovido uma intensa reflexão que leva às raízes da violência”.

O sacerdote explica que as ações de repressão têm se tornado insuficientes diante de uma sensação de impunidade, de uma desigualdade cada vez maior e de um ciclo de violência. “A Igreja sempre viu e lutou para superar a desigualdade social e a injustiça”, garante. Romper o ciclo da violência é uma necessidade, segundo Pe. Agnaldo. Ele cita um caso hipotético de um pai que é humilhado no trabalho, leva a raiva para casa e espanca o filho; a criança por sua vez leva essa violência sofrida para a escola.

“A violência não é só agressão física, mas é uma situação estabelecida na sociedade e muitas vezes não é levada em conta. É tão sutil que às vezes nem percebemos”, lamenta. A indiferença da sociedade à violência também é outro entrave, de acordo com Pe. Agnaldo. “O que se percebe é uma indiferença em relação às notícias de violência. Como se alguém agredido ou morto não fosse mais capaz de tocar nossos corações”, completa.

Igreja e Sociedade

A principal contribuição que a Igreja pode dar à sociedade para superar a violência é o anúncio explícito de Cristo, segundo Pe. Agnaldo. “A principal contribuição é proporcionar à sociedade um tempo de reflexão. A Igreja é anunciadora do Evangelho e do perdão. O caminho para superar a violência é sempre o amor que aplaca a sede de vingança”, ressalta. Os ensinamentos da Igreja também trazem à sociedade os valores morais.

Entre as pastorais sociais, Pe. Agnaldo ressalta a atuação da Igreja nas causas das crianças, idosos e na pastoral da sobriedade.  A Fazenda da Esperança São Bento, que celebra 10 anos em Sobral em 2018, já acolheu mais de 500 homens desde que foi fundada. A instituição busca recuperar jovens da dependência química.

Segunda, 23 Julho 2018 11:55

O desafio da renovação do Congresso

Escrito por

Em menos de três meses os brasileiros irão às urnas para votar e escolher um presidente da República, governadores dos Estados, deputados federais e estaduais e dois terços dos membros do Senado. As campanhas eleitorais já vão ganhando as ruas, com lançamentos de pré-candidatos e sondagens sobre as tendências do eleitorado. Passada a Copa do Mundo, as atenções agora se voltam cada vez mais para as eleições que temos pela frente.

Como de costume, as campanhas ficam focadas, sobretudo, na escolha dos chefes do Executivo, em especial do presidente da República. Por enquanto, fala-se bem pouco dos candidatos às duas Casas do Congresso Nacional e menos ainda dos pretendentes a um gabinete nas Assembleias Legislativas. E aí se esconde um equívoco e até um certo perigo para a vida política. Pretende-se, de maneira talvez inconsciente, que o presidente da República resolva todos os problemas do Brasil e seja uma espécie de chefe plenipotenciário. Mas, ao ser eleito, ele não recebe todos os poderes para realizar o que o País precisa, nem mesmo para pôr em prática, sem mais, aquilo que promete na campanha eleitoral. Nas suas decisões, ele depende do Congresso e todas as iniciativas que pretenda tomar, salvo as do funcionamento ordinário da máquina governamental, deverão ser autorizadas por leis aprovadas pelo Legislativo. O presidente não governa sem a Câmara dos Deputados e o Senado.

Há uma percepção insuficiente do poder e da responsabilidade imensa do Congresso Nacional. Os próprios candidatos à Presidência não falam claramente dessa sua dependência do Poder Legislativo. Praticamente, eles nunca chamam a atenção dos eleitores para a necessidade de elegerem deputados e senadores que apoiem as ações do Executivo. Como as campanhas para o Executivo e para o Legislativo se desenvolvem de forma quase paralela e independente, os eleitores acabam deixando para a ultimíssima hora a decisão sobre a escolha dos candidatos para o Congresso. Dessa forma, torna-se quase impossível uma renovação significativa dos mandatários do Legislativo.

Ora, tudo isso é muito preocupante. Nosso atual Congresso está extremamente desacreditado, não só porque grande número de seus membros está sendo investigado por corrupção, mas também porque sua atual representatividade é bastante questionável.

O Legislativo tem um poder enorme nas decisões sobre o que será melhor para o País. Além disso, é o único dos três Poderes com todos os membros eleitos diretamente pelo povo, para representarem, em suas tomadas de decisão, os diferentes interesses presentes na sociedade. Mas este Congresso representa de maneira muito desigual os diversos segmentos sociais, não espelhando a proporção em que eles existem na sociedade brasileira. Com isso, minorias militantes podem impor ao País políticas públicas que não atendem ao interesse geral da população, como também podem ficar ignorados em seus anseios e direitos os setores não bastante aguerridos.

Nessa perspectiva, é muito bem-vinda a campanha supra-partidária “Um novo Congresso é necessário, é possível e vai ser pelo voto”, recém-lançada e nascida dentro da sociedade civil para propor aos eleitores uma reflexão maior sobre a escolha dos deputados federais e senadores. A campanha mostra que o poder para a renovação do Congresso está na mãos dos próprios eleitores, não é preciso esperar, antes, por uma improvável reforma política vinda “de cima”. Os bons ou maus congressistas da próxima legislatura serão aqueles que os próprios eleitores escolherem. Vale recordar que somente um Congresso renovado será capaz de realizar uma boa reforma política, tão necessária ao Brasil.

No atual contexto da crise política, o interesse efetivo dos cidadãos na campanha eleitoral e seu voto esclarecido e responsável serão mais importantes do que nunca. A escolha de candidatos idôneos para o Legislativo terá um papel decisivo para o futuro político do País. Por isso o desalento e o ceticismo em relação à situação política brasileira deveriam dar lugar ao interesse pelos debates, à busca de informação sobre os candidatos à Câmara e ao Senado e ao discernimento acerca das propostas dos partidos. A eleição pode fazer renascer a esperança e impulsionar mudanças no quadro político a partir da vontade expressa do eleitorado.

É presumível que um bom número dos atuais parlamentares se proponha de novo aos eleitores, buscando mais um mandato legislativo. Nesse caso será necessário discernir a respeito do desempenho do candidato nos mandatos anteriores, para saber se esteve comprometido com a transparência no manuseio do patrimônio público e atuou em favor da justiça social, da dignidade e dos direitos básicos da pessoa. Bons candidatos precisam estar comprometidos com políticas públicas para a defesa e a promoção da vida, com a inclusão dos pobres, dos deficientes, dos idosos e dos jovens. Bons políticos são reconhecidos por seu compromisso com as grandes causas no interesse da população. E todas essas expectativas em relação à atuação dos políticos estão estreitamente unidas à preparação pessoal, à retidão e à firmeza do caráter e à estatura moral dos pretendentes ao mandato público.

São as comunidades locais que têm as melhores possibilidades de unir esforços em prol da renovação do Congresso Nacional. Os eleitores são chamados a identificar, entre os candidatos ao Poder Legislativo, aqueles que apresentam as posturas éticas exigidas pela função pública e que assumam um real compromisso com os anseios mais profundos da população: de igualdade, justiça, liberdade e paz. É pela valorização do seu voto que cada cidadão poderá ajudar a melhorar a política brasileira.

Cardeal Odilo Pedro Scherer – Arcebispo Metropolitano de São Paulo (SP)

Sexta, 13 Julho 2018 09:04

A incidência da Laudato Si no Brasil

Escrito por

Laudato Si no Brasil não foi uma novidade, mas sim uma palavra de ânimo e de encorajamento:

Palavras do Secretário-Geral da CNBB, Dom Leonardo Steiner, que participou na semana passada, no Vaticano, de um Congresso Internacional para marcar os três anos da publicação da Encíclica do Papa Francisco.

Em entrevista ao Vatican News, Dom Leonardo fala da incidência da Laudato Si no Brasil, as iniciativas promovidas pela Igreja durante esses três anos e, sobretudo, a importância de se aliar ao meio científico e intelectual.

Outra questão abordada por Dom Leonardo é a necessidade de se ter uma ação mais contundente no Congresso Nacional, que recentemente aprovou uma lei para a reintrodução dos agrotóxicos. Com a eliminação do Brasil na Copa, afirma Dom Leornado, quem sabe agora assuntos de interesse nacional possam ser novamente colocados em pauta.

Fonte: Site Notícias Católica

Há 101 anos, em 13 de julho de 1917, Nossa Senhora de Fátima mostrou aos três pastorinhos Lúcia, Francisco e Jacinta, na Cova da Iria (Portugal), uma visão do inferno que mostra as trágicas consequências que traz a falta de arrependimento e o que espera no mundo invisível pelos que não se convertem.

Esta visão, mostrada na terceira aparição de Fátima, forneceu aos pequenos um segredo em três partes. Na primeira parte do segredo, na qual o inferno foi mostrado, Nossa Senhora deu às crianças uma maneira de ajudar os outros para que não se condenem:

“Sacrificai-vos pelos pecadores e dizei muitas vezes e em especial quando fizerdes alguns sacrifícios: ‘Ó Jesus, é por Vosso amor, pela conversão dos pecadores e em reparação pelos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria’”.

Uma visão aterradora

No livro “A verdadeira história de Fátima”, do Pe. João de Marchi, relata-se como o pai da pastorinha Jacinta, Manuel Pedro Marto, presenciou o ocorrido na Cova da Iria naquele dia.

Recordou que “Assustados, pálidos e como que a pedir socorro, os pequenos levantaram a vista para Nossa Senhora, enquanto a Lúcia gritou: ‘Ai, Nossa Senhora!’”.

Mais tarde, a pedido do Bispo de Leiria, Lúcia descreveu a visão em suas “Memórias”:

“Ao dizer estas últimas palavras, abriu de novo as mãos, como nos dois meses passados. O reflexo pareceu penetrar a terra e vimos como que um grande mar de fogo. Mergulhados nesse fogo, os demônios e as almas, como se fossem brasas transparentes e negras ou bronzeadas, com forma humana, que flutuavam no incêndio, levadas pelas chamas que delas mesmas saíam juntamente com nuvens de fumo, caindo para todos os lados, semelhante ao cair das fagulhas nos grandes [incêndios], sem peso nem equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizava e fazia estremecer de pavor (deveu ser ao deparar-me com esta vista que dei esse ai! que dizem ter-me ouvido). Os demônios distinguiam-se por formas horríveis e asquerosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes como negros carvões em brasa. Assustados e como que a pedir socorro, levantámos a vista para Nossa Senhora, que nos disse com bondade e tristeza: ‘Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores; para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração. Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz’”.

Em seguida, depois da visão, Maria lhes indicou a oração essencial para ajudar os pecadores: “Quando rezais o Terço, dizei depois de cada mistério: ‘Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o Céu, principalmente aquelas que mais precisarem’”.

Pe. de Marchi assinalou que as crianças compreenderam por que a Virgem de Fátima pediu para rezar e fazer sacrifícios pelos pecadores: “Façam isso”, dizia a Senhora. “É uma coisa grandiosa, boa e amorosa e agradará a Deus que é amor”.

“Converteram-se, por livre vontade, em corredentores com Cristo. A visão do inferno que haviam tido em julho não se apagou de suas mentes. Rezaram incessantemente. Buscavam novos sacrifícios. Rezando o Terço, nunca se esqueciam de incluir a oração que Nossa Senhora lhes ensinou a dizer depois de cada dezena”, indicou o sacerdote em seu livro.

Além da visão do inferno de 13 de julho de 1917, a mensagem da Virgem de Fátima indica que se deve rezar o Terço todos os dias, fazer sacrifícios e rezar pelos pecadores, praticar a devoção dos cinco primeiros sábados do mês em honra ao Imaculado Coração de Maria e a consagração pessoal também ao seu Imaculado Coração.

Fonte: ACI

- “Cristo, esse louco de amor, me fez louca também”, dizia Santa Teresa dos Andes, jovem carmelita descalça que buscava estar sempre em comunhão com Jesus. Faleceu ainda nova, aos 19 anos, e tornou-se modelo de santidade principalmente para a juventude latino-americana, da qual é padroeira.

Nascida em 13 de julho de 1900, em Santiago, no Chile, recebeu o nome Joana Fernandez Solar. Seus pais, Miguel e Lúcia, a educaram em um ambiente cristão. Aos seis anos passou a participar da Missa quase diariamente ao lado de sua mãe.

Essa vivência nutriu no coração da menina o grande desejo de receber a primeira comunhão, o que aconteceu em 1910. A partir de então, procurava comungar todos os dias e gostava de passar longos momentos em um íntimo diálogo com Jesus.

Estudou durante 11 anos no Colégio do Sagrado Coração e nos últimos três anos passou para o regime de internato. Nessa ocasião, precisou assumir com resignação o distanciamento de seus familiares, algo que ela se julgava incapaz de fazer, pois era muito dedicada à família.

Foi aos 14 anos que sentiu confirmada a sua vocação à vidareligiosa. A troca de correspondências com a superiora das carmelitas dos Andes a ajudou a amadurecer este chamado até que, aos 17 anos, começou a expressar o desejo de ser carmelita.

Dois anos mais tarde, em 1919, ingressou para as carmelitas dos Andes, tomando o nome de Teresa de Jesus. Sua vida no Carmelo foi breve, pois onze meses depois contraiu febre tifoide e faleceu aos 19 anos, no dia 12 de abril de 1920.

Teresa foi beatificada por São João Paulo II em 1987 e canonizada pelo mesmo Papa em 1993, quando ele a chamou pela primeira vez de Santa Teresa de Jesus “dos Andes”. Na ocasião, o Pontífice ainda recordou que ela era a primeira santa chilena e a primeira carmelita descalça da América Latina a ser elevada à honra dos altares.

Na homilia de canonização de Santa Teresa, João Paulo II assinalou ainda que, “a uma sociedade secularizada, que vive de costas para Deus, esta carmelita chilena, que viveu com alegria apresentada como modelo da perene juventude do Evangelho, oferece o testemunho límpido de uma existência que proclama aos homens e mulheres de hoje que no amar, adorar e servir a Deus estão a grandeza e a alegria, a liberdade e a realização plena da criatura humana”.

O Pontífice ressaltou que a vida de Santa Teresa “grita suavemente a partir do claustro: ‘só Deus basta!’” e este é um grito “especialmente aos jovens, famintos de verdade e em busca de uma luz que dê sentido a suas vidas”.

“A uma juventude solicitada pelas contínuas mensagens e estímulos de uma cultura erotizada e uma sociedade que confunde amor genuíno, que é doação, com o uso hedonista do outro, esta jovem virgem dos Andes proclama hoje a beleza e bem-aventurança que emana corações puros”, acrescentou.

 Fonte: ACI.

Entre os dias 21 e 26 de agosto ocorrerá em Dublin, na Irlanda, o IX Encontro Mundial das Famílias. O lema do evento deste ano é: “O Evangelho das Famílias: Alegria do Mundo”.

Segundo os organizadores do evento, os 500 mil ingressos colocados à disposição para a Missa de encerramento já estão esgotados. A celebração eucarística será presidida pelo Papa Francisco no domingo, 26 de agosto, no Phoenix Park da capital irlandesa.

“Não há motivo para se surpreender com este interesse tão grande, a família é importante para todos nós. As pessoas gostam daquilo que o Papa Francisco diz sobre a família e sobre a Igreja”, afirmou o secretário-geral do Encontro, Padre Timothy Bartlett.

O sacerdote recordou também que os eventos serão todos transmitidos ao vivo, e inclusive muitas Paróquias e Dioceses já se organizaram para acompanhar as cerimônias junto aos seus fiéis desde os seus respectivos países.

Programação

O encontro será inaugurado no dia 21 de agosto, sendo que essa inauguração ocorrerá simultaneamente nas 26 dioceses irlandesas.

Do dia 22 até o dia 24 agosto será celebrado o Congresso Pastoral com diferentes reuniões de trabalho, debates e diálogos, todos eles dentro da temática do Encontro.

No dia 25 de agosto será realizado o Festival das Famílias, do qual o Papa Francisco participará.

Finalmente, no dia 26 de agosto o Santo Padre celebrará a Missa Solene de encerramento do evento.

O Encontro Mundial das Famílias ocorre a cada três anos. O último aconteceu em 2015 e foi celebrado na Filadélfia, Estados Unidos, contando com a participação de 18 mil pessoas.

Fonte: Site Noticias Católicas

Por Gaudium Press

A Prefeitura de Sobral divulgou edital de concurso público com 312 vagas e cadastro de reserva para os cargos de professor e orientador educacional da rede pública municipal de ensino. A inscrição deverá ser feita online e estará aberta entre 30 de julho e 24 de agosto. O concurso será coordenado pelo Instituto de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Estadual Vale do Acaraú (IADE/UVA).

Das 312 vagas, 50 são para o cargo de orientador educacional, destinadas a bacharéis em Psicologia; e 262 vagas para os cargos de professor da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, para profissionais com licenciatura em Pedagogia, Letras, Matemática, Ciências, Física, Biologia, Química, História, Filosofia, Sociologia, Geografia, Inglês, Educação Física, Artes e Música.

A carga horária para o cargo de professor será de 20 horas semanais, com vencimento base de R$ 1.411,99 mensais. Para o cargo de orientador educacional, será de 40 horas semanais, com vencimento mensal de R$ 2.800. O conteúdo programático das provas, cronograma, atribuições dos cargos e demais informações estão disponíveis no edital.

"Esse é o maior edital de concurso público para professores da rede pública municipal de Sobral em número de vagas em todas as áreas (pedagogia e licenciaturas), além do concurso para o novo cargo de orientador educacional para psicólogos, que atuarão nas escolas municipais", afirmou o secretário da Educação de Sobral, Herbert Lima.

O concurso público será realizado em quatro fases para o cargo de professor: prova objetiva, prova dissertativa, prova didática e análise de títulos. Já os candidatos ao cargo de orientador educacional, serão submetidos a três fases, compreendendo prova objetiva, prova de apresentação de um plano de ação teórico propositivo e análise de títulos. A prova objetiva para todos os cargos será aplicada dia 16 de setembro.

Os garotos resgatados de uma caverna na Tailândia foram vistos sorrindo e conversando no quarto do hospital em que estão internados. Um vídeo contendo estas imagens foi liberado pelo governo da Tailândia nesta quarta-feira, 11.

No vídeo, alguns dos garotos são vistos usando uma máscara cirúrgica, deitados. Outros estão sentados e fazem o “sinal da paz” para a câmera, enquanto outros estão sentados em grupo, conversando e mexendo em seus aparelhos celulares.

Leia mais
.: Papa destaca crise na Síria e na Nicarágua e drama na Tailândia

Os doze garotos resgatados perderam em média dois quilos durante os 17 dias em que ficaram presos. A maior parte deles, porém, está em boas condições e não mostra sinais de estresse, segundo informou um representante do governo. Todos os garotos ficarão no hospital por, pelo menos, dez dias e continuarão a se recuperar em casa por outros 30 dias, segundo o diretor do hospital Chaiwetch Thanapaisal.

Thongchai Lertwilairattanapong, inspetor de departamento de saúde, disse hoje que o último sobrevivente resgatado na terça-feira, 10, tinha uma infecção pulmonar e todos os outros foram vacinados contra tétano e raiva.

Encontro anual contou com a assessoria do Pe. Jésus Benedito dos Santos, doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2009)

Redação

Correio da Semana

O encontro anual de atualização do Clero da Diocese de Sobral contou com 60 participantes entre padres da Diocese de Sobral, além dos estagiários e do bispo diocesano, Dom José Luiz Gomes de Vasconcelos. O principal objetivo da formação deste ano é ajudar o presbítero, que tanto cuida dos outros, a estar mais atento à sua saúde integral. O evento foi realizado da segunda-feira, 9, até a quinta-feira, 12 de julho, no Centro de Treinamento de Sobral (Cetreso).

O tema deste ano é “Presbítero: Discípulo do Senhor e pastor do rebanho” e o lema “Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho, pois o Espírito Santo vos constituiu como guardiães”… (Atos 20,28). O representante do clero na Diocese de Sobral, Pe. Marcos Uchôa, explicou que o encontro está dentro da proposta da pastoral presbiteral cuja finalidade é manter a formação continuada para os sacerdotes da Diocese e promover um espaço propício de reflexão e participação na vida do presbitério diocesano no qual cada padre tenha a oportunidade de se autoavaliar e traçar metas para sua vida pessoal e pastoral.