Diocese

Diocese (263)


A maioria dos brasileiros continua sendo contrário à legalização do aborto no país, indicam dados de uma recente pesquisa divulgada nesta semana, segundo a qual 59% dos entrevistados não concordam em alterar a legislação atual sobre esta prática.

O levantamento foi feito pelo Instituto Datafolha e ouviu 8.433 pessoas de 313 municípios, nos dias 20 e 21 de agosto, e se deu dias após o Supremo Tribunal Federal realizar em 3 e 6 de agosto uma audiência pública sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 442/2017 (ADPF 442), que propõe a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação.

De acordo com a pesquisa, cuja margem de erro é de dois pontos percentuais, as pessoas favoráveis à manutenção das atuais regras em relação ao aborto passou de 67% em 2015 para 59%.

Entretanto, este recuo não representa necessariamente aumento dos que são a favor da descriminalização do aborto, pois a taxa de brasileiros que acreditam que o aborto deveria ser legalizado em qualquer situação passou de 11%, em 2015, para 14%.

Estes dados vêm ao encontro de outras pesquisas anteriores sobre o aborto no Brasil, como os levantamentos dos Institutos Locomotiva de Pesquisa e Paraná Pesquisas, divulgadas em dezembro de 2017.

A pesquisa domiciliar do Instituto Locomotiva ouviu 1.600 pessoas em 12 regiões metropolitanas de 27 de outubro a 6 de novembro do ano passado, indicando que 62% dos brasileiros são contrários a que “as mulheres possam decidir por interromper a gravidez”.

Por sua vez, Paraná Pesquisas fez um levantamento online com 2.056 pessoas nos 26 estados brasileiros, entre 28 de novembro e 1º de dezembro. Os dados mostraram que 86,5% dos brasileiros são contrários à “legalização do aborto em qualquer situação”.

Além disso, em março de 2017, pesquisa Ipsos “sobre apoio ao direito à interrupção de gravidez”, revelou que o Brasil é o segundo país que mais rechaça o aborto, entre 24 que participaram do estudo.

De acordo com este levantamento, apenas 13% dos brasileiros apoiam o aborto quando a mulher desejar. A pesquisa sinalizou ainda que, no Brasil, 17% são totalmente contra o aborto, independente do cenário; e 21% afirmam que o aborto não deve ser realizado, exceto em casos em que a vidada mãe esteja em perigo.

Mensagem ao STF

Após a divulgação da mais recente pesquisa sobre a aprovação do aborto no Brasil, a presidente do Movimento Brasil Sem Aborto, Lenise Garcia, assinalou ao site ‘Gazeta do Povo’, que uma pesquisa de opinião pode não ser de “muita relevância” para a decisão dos ministros.

Entretanto, ressaltou, “tem sido usado o argumento de que é importante o Supremo Tribunal Federal entrar nesse assunto, porque o Congresso Nacional não ‘avança’, como se houvesse um posicionamento contrário ao da população brasileira”.

“Havendo evidências de que a população brasileira também não demanda mudanças na lei, qualquer justificativa para que o Supremo analise a questão fica prejudicada”, completou.

Por sua vez, Angela Martins, doutora em Filosofia do Direito e professora visitante de Harvard, a pesquisa que confirma que a população não deseja alterar a legislação do aborto “demonstra que não deveríamos ter deslocado esse debate para o Supremo, e sem representatividade”.

“Essa pesquisa pode auxiliar a demonstrar que a vontade política de muitos brasileiros seria frustrada nesse sentido, e ainda, em uma matéria de extrema relevância para a vida social do país”, observou.

Martins explicou que atualmente se vive “em uma era que chamamos filosoficamente de pós-verdade, que é uma verdade mais subjetiva e emotiva”. Foi o que disse a acadêmica ao referir-se à sua experiência em Brasília, quando participou da audiência pública sobre a ADPF 442.

Segundo a especialista, mais que argumentos sendo discutidos havia “um desejo de comoção em relação ao fato”. “Isso não nos leva a pensar sobre as consequências a longo prazo”, assinalou sobre o pedido ajuizado pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSol).

Segundo nota de imprensa publicada no site oficial do STF, na ADPF 442, “o partido questiona os artigos 124 e 126 do Código Penal, que criminalizam a prática do aborto. O PSOL pede que se exclua do âmbito de incidência dos dois artigos a interrupção voluntária da gravidez nas primeiras 12 semanas de gestação, alegando a violação de diversos princípios fundamentais”.

Ainda segundo o texto, para o PSOL, que é o autor da ação, “os dispositivos questionados ferem princípios constitucionais como a dignidade da pessoa humana, a cidadania, a não discriminação, a inviolabilidade da vida, a liberdade, a igualdade, a proibição de tortura ou o tratamento desumano e degradante, a saúde e o planejamento familiar das mulheres e os direitos sexuais e reprodutivos”.

Fonte: ACI

No dia 09 de agosto, ocorreu no Sobral Shopping o evento HOMENS DE SUCESSO do blogueiro César Macêdo, que teve como objetivo principal reconhecer, reverenciar, aplaudir e, principalmente homenagear empreendedores de sucesso que fazem história por seu trabalho, sua garra, credibilidade, confiança e honestidade na cidade de Sobral.
E, para receber o troféu e representar os Médicos Cooperados da Operadora Unimed Sobral foi escolhido em votação o Dr. Paulo Rogers, especialista em oftalmologia e cooperado há 15 anos.
O mesmo ficou bastante alegre e honrado pela escolha, ressaltando que “fazer parte da cooperativa Unimed Sobral é saber que todos estamos unidos em prol de todos e é interessante saber que não estamos sós, mas que estamos construindo algo que outros também estão, em um mesmo objetivo: levar o melhor para nossos clientes.”
A entrega do troféu foi feita pelos diretores da Unimed Sobral: Dr. Vicente Carvalho e a Dra. Gertrudes Ouriques, em uma noite memorável.

Fonte: Correio da Semana

Neste domingo, 19, o Santuário Nacional celebrou os 40 anos do restauro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. Para comemorar, uma carreata sairá da Catedral da Sé, em São Paulo, rumo ao Santuário.

Este será o mesmo trajeto realizado há quatro décadas, quando a imagem voltou a Aparecida após ter sido restaurada. “Para Deus, nada é impossível. As palavras do anjo ditas a Maria, na anunciação, traduzem bem este momento da restauração”, explica o reitor do Santuário Nacional, padre João Batista de Almeida, que participa da organização deste evento. “A restauração da imagem de Nossa Senhora inspira as pessoas a restaurarem suas vidas. Tudo isto celebramos nesta carreata”, reitera o religioso.

A programação do evento terá início às 7h30, com uma missa na Catedral da Sé, presidida pelo arcebispo de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer. “Aparecida, durante muitos anos, pertenceu à Arquidiocese de São Paulo. A Catedral da Sé, então, é uma referência à devoção a Nossa Senhora Aparecida”, explica o padre.

“O percurso entre São Paulo e Aparecida se tornou um grande corredor da fé naquele 19 de agosto de 1978”, relembra o religioso. “Por isso quisemos repetir este trajeto com o intuito de fazer com que todas as pessoas que vivem neste entorno da rodovia Presidente Dutra se sintam abençoadas por Nossa Senhora Aparecida”, acrescenta.

A chegada da imagem está prevista para as 13h30. Haverá uma recepção festiva na Tribuna Bento XVI. “Acredito que teremos mais de 120 mil pessoas aqui no Santuário, podendo chegar a 150 mil”, revela.

Nossa Senhora Aparecida é considerada a Padroeira do Brasil desde julho de 1930. De lá para cá, a devoção só cresce. “Nossa Senhora, com toda sua forma singela e simplicidade, acabou sendo para o povo esta grande referência espiritual”, afirma o padre João Batista. “Nossa Senhora convida o povo a rezar e o nosso povo gosta disto. O povo brasileiro ama a vida de oração”, declara.

O atentado e a restauração

Um jovem de apenas 19 anos atentou contra a imagem de Nossa Senhora Aparecida na noite de 16 de maio de 1978: ele quebrou o vidro do nicho da imagem e foi apanhado no ato por um guarda do Santuário. A imagem, porém, caiu e foi despedaçada em mais de 200 pedaços.

O jovem, segundo o padre João Batista, sofria de problemas mentais. A missão, então, era encontrar alguém que pudesse restaurar a imagem de Nossa Senhora, o que ficou a cargo da artista plástica Maria Helena Chartuni, que à época trabalhava no Museu de Arte de São Paulo (MASP) e fora indicada por um padre brasileiro que era diretor do Museu Vaticano à época, o professor Deoclécio Redig de Campos. Durante 33 dias ininterruptos, Maria Helena se dedicou a reconstituir meticulosamente a imagem de Nossa Senhora.

“Ela estava toda despedaçada. Fiquei quase em pânico, olhando para aquela caixa com os pedaços dela. Depois de um longo período, comecei a pedir para a santa me ajudar a realizar este trabalho”, revela Maria Helena.

A cabeça da imagem, segundo a artista plástica, estava toda esfacelada. “Achei que chegaria até o pescoço, mas depois não soube o que fazer”, detalha.

Após 33 dias de árduo trabalho, Maria Helena conseguiu restaurar a imagem de Nossa Senhora, que se tornou um de seus maiores trabalhos. A artista revela ainda que 95% da imagem permanece como fora encontrada originalmente. “Só uma parte do rosto, na face direita, que tive que refazer. Não podíamos deixar uma imagem sagrada com um buraco na face direita. Junto com os padres, decidimos igualar as faces. Chegamos a fazer uma radiografia depois para mostrarmos todos esses detalhes”, afirma.

“Por mais que estejamos destroçados na vida, seja por qualquer razão, Deus sempre vai encontrar uma maneira de nos restaurar e restituir a nossa dignidade”, finaliza o padre João Batista.

Fonte: Canção Nova

Seu nome significa “batalhador e valente”. Tinha uma incrível capacidade de persuasão com a qual levou centenas de homens aos pés de Cristo, incluindo toda a sua família. Foi conselheiro de reis e Papas, escreveu vários livros e uma das orações mais formosas à Virgem. Era conhecido como “o caçador de almas e vocações” e “o oráculo da cristandade”.

São Bernardo de Claraval nasceu no castelo de Fontaine-les-Dijon, localizado na Borgonha (França), em 1090. Sua família pertencia à nobreza francesa, já que seu pai Tescelino era um dos cavaleiros do Duque de Borgonha e sua mãe Alice era filha de um poderoso senhor feudal chamado Bernardo de Montbard. Foi o terceiro de sete filhos.

Desde a infância, teve uma relação estreita com sua mãe, que durante sua gravidez teve uma visão sobre a vida do santo. Bernardo era muito sensível e reservado. Junto com seus irmãos, recebeu uma esmerada educação em história, literatura e latim.

Quando sua mãe morreu, o jovem voltou seus olhos para a Virgem Maria, por quem tinha uma forte devoção durante toda a sua vida. Compôs o “Lembrai-vos”, uma de suas mais belas orações marianas.

Durante sua juventude, desenvolveu uma personalidade alegre, inteligente, bondosa e carismática. Seu temperamento vigoroso o levou a se inclinar por atrações e amizades mundanas, mas no fundo sentia-se vazio e cansado.

Uma noite de Natal no ano de 1111, Bernardo adormeceu. Em seu sonho apareceu a Virgem levando o Menino Jesus em seus braços e o oferecia para que o amasse e o fizesse ser amado pelos demais. Desde então, decidiu se dedicar a Deus e alcançar a santidade.

Para combater as tentações carnais, revolvia-se em gelo. Em 1112, ingressou no mosteiro cisterciense de Citeaux, fundado por São Roberto, Santo Alberico e Santo Estêvão Harding, e era o primeiro lugar onde se praticava rigorosamente a regra de São Bento. Santo Estêvão, que era o prior, aceitou Bernardo com alegria, porque não recebiam vocações há 15 anos.

Com apenas 25 anos, foi enviado como superior para fundar, com outros doze monges, um novo mosteiro em Champagne, ao qual chamou Clairvaux (Claraval – que significa vale claro).

São Bernardo era dotado de uma incrível capacidade de persuasão e de fascinação. Levou muitas almas para a vida religiosa e, por isso, ganhou o apelido de “o caçador de almas e vocações”. As jovens tinham medo de que seus noivos falassem com o santo, porque Bernardo ia às universidades, aos povoados e aos campos para falar sobre as maravilhas e os benefícios da vida religiosa e acabava convencendo muitos.

Fundou cerca de 300 conventos e conseguiu que 900 homens professassem os votos. Um de seus discípulos, Bernardo de Pisa, chegou a se tornar Papa sob o nome Eugênio III.

A família que alcançou Cristo

Além de pertencer a uma família nobre, Bernardo pertenceu a uma família santa.

Sua mãe, a Beata Alice Montbard, foi uma mulher caritativa e entregue à vontade de Deus. Formou na fé cristã seus sete filhos e morreu rezando o terço. Seu pai, o Venerável Tescelino, perdoou um cavalheiro que o desafiou para um duelo e o feriu com sua lança. Ensinou a seus dois filhos mais velhos, o Beato Gerardo e o Beato Guy, a importância da misericórdia.

Quando São Bernardo manifestou diante de sua família sua decisão de se tornar religioso, a princípio se opuseram, mas o santo conseguiu convencê-los e levou consigo seus quatro irmãos mais velhos, o Beato Gerardo, o Beato Guy, o Beato Andrés e o Beato Bartolomeu, seu tio e 31 companheiros. Quando saiam, o Beato Nirvardo, o irmão mais novo, disse: “Ah! Como vocês vão ganhar o céu e me deixam aqui na terra? Não posso aceitar isso”. Anos mais tarde, o caçula da família se tornou um religioso.

Antes de ingressar no mosteiro, Bernardo conduziu seus familiares e amigos a uma fazenda para prepará-los espiritualmente. Tempos depois, seu pai Tescelino entrou no mosteiro de Citeaux.

A esposa do Beato Guy, Isabel, também se tornou monja com suas duas filhas. A irmã do santo, a Beata Humbelina, que ansiava pela vida religiosa graças aos conselhos de seu irmão, chegou a um acordo mútuo com seu marido, Guy de Marcy, de que ambos se consagrariam a Deus. Guy se foi com demais familiares. Humbelina fundou vários conventos e seu lema foi “Amar é servir”.

A fama de suas qualidades intelectuais e espirituais era tão grande que os príncipes e bispos o consultavam para os assuntos mais importantes e respeitavam suas opiniões e decisões. Chamavam-no “o oráculo da cristandade”.

Bernardo morreu no dia 21 de agosto de 1153, aos 73 anos, e tinha sido abade por 38. Foi canonizado em 1174 e proclamado Doutor da Igreja em 1830.

Fonte: ACI

No dia 09 de agosto, ocorreu no Sobral Shopping o evento HOMENS DE SUCESSO do blogueiro César Macêdo, que teve como objetivo principal reconhecer, reverenciar, aplaudir e, principalmente homenagear empreendedores de sucesso que fazem história por seu trabalho, sua garra, credibilidade, confiança e honestidade na cidade de Sobral.
E, para receber o troféu e representar os Médicos Cooperados da Operadora Unimed Sobral foi escolhido em votação o Dr. Paulo Rogers, especialista em oftalmologia e cooperado há 15 anos.
O mesmo ficou bastante alegre e honrado pela escolha, ressaltando que “fazer parte da cooperativa Unimed Sobral é saber que todos estamos unidos em prol de todos e é interessante saber que não estamos sós, mas que estamos construindo algo que outros também estão, em um mesmo objetivo: levar o melhor para nossos clientes.”
A entrega do troféu foi feita pelos diretores da Unimed Sobral: Dr. Vicente Carvalho e a Dra. Gertrudes Ouriques, em uma noite memorável.

Fonte: Correio da Semana

O objetivo do encontro foi o de socializar e integrar as ações da rede de assistência à saúde da gestante e da puérpera na estratégia QualiNEO em Sobral. 

Na última segunda-feira (13/08), a Santa Casa de Misericórdia de Sobral recebeu a visita de uma equipe técnica do Ministério da Saúde (MS), que realizou reavaliação da Santa Casa, enquanto Hospital Amigo da Criança. Na ocasião, foram observadas as atividades que contemplam a assistência da gestante, da puérpera e do recém-nascido, conforme os princípio e diretrizes da Iniciativa Hospital Amigo da Criança.
Conforme  a  coordenadora do Serviço de Enfermagem da Maternidade Sant’Ana, Michelle  Prudêncio, durante a visita de reavaliação foram observadas as ações desenvolvidas de assistência  de forma humanizada  e os cuidados de assistência à gestante, à puérpera e ao bebê. Para ser certificado, o hospital de cumprir o que preconiza a Portaria nº 1.153, de 22 de maio de 2014 do Ministério da Saúde, voltado para o Cuidado Amigo da Mulher e uma série de outros requisitos que buscam a adequada atenção à saúde da criança e da mulher. A iniciativa tem como objetivo promover, proteger e apoiar o aleitamento materno através da revisão continuada de políticas de práticas e rotinas em serviços de saúde materno-infantil.
A reavaliação visa qualificar a Santa Casa como Hospital Amigo da Criança, conforme a Portaria, tendo em vista o cuidado amigo da mulher. Durante a visita, a equipe de avaliadores do MS  realizou entrevistas com as mães que estão com bebês em locais de cuidados especiais (UTI Neonatal),  as  mães que estavam em alojamento conjunto com seus bebês, com as gestantes de alto risco internadas no hospital, além dos funcionários e demais colaboradores do setor.
A equipe de avaliadores também se reuniu com a direção geral do hospital, quando foram apresentadas as principais dificuldades que o hospital enfrenta no atendimento às gestantes, principalmente pela superlotação e os baixos custos dos procedimentos pagos pelo SUS. Também participaram da reunião representantes da saúde do estado e do município, além dos hospitais Regional Norte e Dr. Estevam Ponte. O objetivo do encontro foi o de socializar e integrar as ações da rede de assistência à saúde da gestante e da puérpera na estratégia QualiNEO em Sobral.

Selo
A IHAC é um selo de qualidade conferido pelo Ministério da Saúde aos hospitais que cumprem os 10 passos para o sucesso do aleitamento materno, instituídos pelo Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Para ser amigo da criança, o hospital deve também respeitar outros critérios, como o cuidado respeitoso e humanizado à mulher durante o pré-parto, parto e o pós-parto, garantir livre acesso à mãe e ao pai e permanência deles junto ao recém-nascido internado, durante 24 horas, e cumprir a  Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças na Primeira Infância (NBCAL). Bebês que nascem em Hospital Amigo da Criança têm menos chance de sofrer intervenções desnecessárias logo após o parto, como aspiração das vias aéreas, uso de oxigênio inalatório e uso de incubadora. O contato pele a pele com a mãe logo após o nascimento, a amamentação na primeira hora de vida, ainda na sala de parto, e o alojamento conjunto também ocorre com mais frequência em Hospitais Amigos da Criança do que em maternidades que não têm o título.

Fonte: Correio da Semana

Dom José Luiz Gomes de Vasconcelos, bispo da Diocese de Sobral, também esteve presente ao Encontro dos Bispos da Região Nordeste

De 07 a 10 de agosto, cerca de 80 bispos, dos nove estados do Nordeste, se encontraram em Fortaleza (CE) no Encontro dos Bispos da Região Nordeste. Outras 40 pessoas (entre assessores e religiosos) e também a Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), composta pelo cardeal Sergio da Rocha (presidente), dom Murilo Krieger (vice-presidente) e dom Leonardo Steiner (secretário-geral) participaram do significativo evento para a região e para o País.
O arcebispo de Brasília (DF) e presidente da CNBB, cardeal Sergio da Rocha, disse que o encontro era uma necessidade para que os bispos da região se encontrassem. “Desde que eu era bispo de Fortaleza eu tinha o desejo de realizar um encontro como este”, disse o cardeal, que foi bispo auxiliar da capital cearense de 2001 a 2007.
Como fruto do encontro, cujo objetivo foi construir linhas comuns de evangelização para o Nordeste, além de fomentar a comunhão entre a CNBB e as dioceses e arquidioceses da região, os bispos publicaram o “Documento de Fortaleza”, no qual oferecem uma síntese de suas preocupações e propostas sistematizadas no encontro. No documento, encontra-se também um decálogo de recomendações e compromissos pastorais para a Igreja presente no Nordeste.
O documento, entre outros pontos, reforça o compromisso com “uma Igreja despojada e samaritana, sensível às novas faces da pobreza e revigorada em sua atuação sociotransformadora”. Os bispos afirmam que o sistema social no Nordeste ainda mantém sinais da velha cultura escravocrata e desigual. O atual acirramento das polarizações, a falta de memória histórica e a disseminação do ódio e da intolerância são pontos que mereceram a preocupação dos bispos, conforme o documento.

Fonte: Correio da Semana

Não existe um único instante do dia em que não experimentamos um humor, bom ou ruim. E a ciência tem muito a dizer sobre isso

Pesquisas recentes em neurociência e sua aplicação ao desenvolvimento pessoal mostram que somos seres emocionais com capacidade para a razão.

As emoções não são necessariamente as inimigas da razão. A crença de que alguém que usa emoções para tomar decisões – sem ter uma cabeça centrada e uma atitude puramente racional – não estaria fazendo o certo reflete uma visão incompleta dos seres humanos.

Hoje, a teoria da inteligência emocional nos lembra que as pessoas que são hiper-racionais e tentam argumentar através de suas decisões sem um componente emocional são realmente incapazes de tomar decisões corretas, precisamente porque estão incompletas.

As emoções são o contexto em que a nossa vida ocorre. Não existe um único instante do dia em que não experimentamos um humor, bom ou ruim. Nosso estado de humor ou emocional envolve aspectos físicos e mentais que mudam dependendo da nossa emoção prevalecente.

Com raiva, medo ou tristeza:

– Nosso corpo percebe um estado de perigo para sua sobrevivência, o que faz com que vários processos fisiológicos parem ou sejam alterados.

 

– Nossa circulação sanguínea é direcionada principalmente aos nossos braços e pernas, o que significa que menos sangue chega ao nosso cérebro.

– Não podemos pensar com clareza; consequentemente, nossas decisões e ações são muitas vezes incorretas.

– Nós reagimos automaticamente, então nossos pensamentos nesta situação geralmente são baseados em experiências negativas passadas.

Com emoções relacionadas ao amor e à felicidade:

– Nosso corpo e cérebro estão em um estado de harmonia, de modo que todos os nossos processos fisiológicos funcionam normalmente.

– Nosso cérebro está trabalhando com todo seu potencial, e pode tomar decisões corretas e tomar as ações adequadas.

– Nosso cérebro está trabalhando criativamente, e nossos pensamentos estão focados no aqui e agora.

Nosso humor está intimamente relacionado ao nosso bem-estar físico, e ao lidar com certas doenças, nosso estado emocional pode ser um fator determinante para melhorar nossa qualidade de vida.

Com emoções como medo, raiva e tristeza, a qualidade de nossa vida emocional é precária e pode até dar origem a certas doenças. O amor e a felicidade, pelo contrário, criam harmonia emocional e incentivam a abertura às muitas possibilidades da vida.

O humor é uma maneira de ver a realidade a partir de uma perspectiva positiva com felicidade e otimismo, permitindo minimizar a gravidade de qualquer situação.

Quando temos senso de humor, temos uma grande capacidade de criar estados de espírito positivos, tanto para nós como para outras pessoas. Ao mesmo tempo, isso pode ter uma influência positiva sobre o nosso desempenho mental e/ou físico.

O fortalecimento dos aspectos positivos de nossa vida depende, em parte, de nós. Se você quer melhorar a qualidade de sua vida pessoal e social, você pode:

– Colocar suas preocupações em perspectiva: elas são parte da vida, mas também são suas vitórias, e, ocasionalmente, você deve ter tempo para aproveitar a vitória mais recente e conceder a você mesmo tempo para descansar em um ambiente agradável.

– Reforçar a comunicação positiva: aproxime-se de pessoas com quem você tem algo em comum e converse com elas, propondo tópicos de conversa a partir do qual emergem opiniões interessantes, respeitando possíveis diferenças de opinião.

– Trabalhar por uma boa causa: fazer algo para outras pessoas irá fazer você se sentir melhor também.

– Tentar concentrar sua atenção no positivo: podemos aprender algo novo de todas as experiências – e isso é bom para nós em longo prazo.

– Não seja muito exigente consigo mesmo: realize suas responsabilidades e trabalhe com entusiasmo, mas lembre-se que o trabalho não é tudo. Você também tem uma vida para viver.

Fonte: Aleteia

Santa Beatriz da Silva foi uma religiosa católica portuguesa que fundou a Ordem da Imaculada Conceição (Concepcionistas Franciscanas), dedicada à oração contemplativa.

A santa nasceu em 1426 em Ceuta, cidade do norte da África, que naquela época estava sob o domínio da coroa de Portugal.

A mãe de Beatriz, seguindo a tradição familiar, era muito devota da Ordem de São Francisco e, por isso, encomendou a educação religiosa de seus onze filhos aos padres franciscanos, que semearam em suas almas um amor especial pela Imaculada Conceição.

O quinto dos irmãos de Beatriz, chamado João – mais tarde Beato Amadeu da Silva –, tomou o hábito de São Francisco e fundou a associação chamada “amadeístas”.

Beatriz chegou a Castela em 1447, acompanhando como donzela de Isabel de Portugal, que partia de seu reino para contrair matrimônio com o rei de Castela, João II.

Entretanto, passado certo tempo, como sua beleza provocava a admiração dos nobres ou, talvez, porque a própria rainha temia ver nela uma perigosa rival, Beatriz abandonou a corte real que estava em Tordesilhas (Valladolid) e ingressou no mosteiro cisterciense de Santo Domingo de Silos, em Toledo, no qual duramente 30 anos dedicou-se unicamente a Deus.

Depois desses quase trinta anos de dedicação a Deus, decidiu fundar um novo mosteiro que foi a primeira sede da Ordem da Imaculada Conceição.

Em 1489, a pedido de Beatriz e da rainha Isabel a católica, o Papa Inocêncio VIII autorizou a fundação do novo mosteiro e aprovou as principais regras. Entretanto, antes que começasse a vida regular no novo mosteiro, Beatriz faleceu em 1492.

A nova família religiosa se difundiu rapidamente por diversas nações europeias e depois também na América. Atualmente, é formada por cerca de 3 mil religiosas que vivem em 150 mosteiros espalhados por todo o mundo.

O culto a Santa Beatriz foi confirmado por Pio XI em 28 de julho de 1926, com o título de Beata. Foi canonizada em 3 de outubro de 1976 pelo Papa Paulo VI e seus restos mortais se conservam para veneração pública na Casa Mãe de Toledo, na Espanha.

Fonte: ACI

Pouco mais de uma semana antes de cantar para o Papa Francisco no Encontro Mundial das Famílias (EMF), na Irlanda, Andrea Bocelli falou sobre a importância de ter fé e como esta ajuda a compreender o sentido da vida.

Em uma recente entrevista concedida a Vatican News, o cantor recordou que Santo Agostinho costumava dizer que “quem canta reza duas vezes”. “Eu realmente gosto de acreditar nisso, porque se for verdade, eu rezei muito em minha vida”, afirmou.

Explicou que um cantor “o objetivo de dar alegria, propiciar um momento de leveza no qual o espírito voa e você pode refletir, meditar no sentido da vida, nas coisas que realmente contam”, o canto “faz sua parte, é claro”.

Do mesmo modo, Bocelli afirmou que “a fé é um caminho que fazemos na tentativa de entender, compreender o sentido da vida”.

O tenor italiano disse que pensar “que somos filhos do acaso” é “um acidente intelectual”, porque é “um pouco como estar frente à Pietà de Michelangelo e não acreditar na autoria dessa escultura, ou seja, pensar que a Pietà foi encontrada um dia nos Alpes Apuanos, por casualidade, porque o acaso a esculpiu assim”. “Os que não têm fé são um pouco assim”, indicou.

Nesse sentido, relatou que chegar à fé foi para ele “um caminho racional”. “Achei que o mundo só poderia ser o resultado de uma vontade inteligente, muito maior que a nossa, e a partir daquele momento também esperei que fosse uma vontade de amor, uma vontade que Ele realmente nos amasse”, continuou.

Bocelli explicou que há duas formas de ter fé: a primeira é a “do cristão que deposita em Deus toda esperança e confiança possíveis”.

A segunda é “a de Iago, no ‘Otelo’ de Shakespeare, que disse: ‘Eu acredito em um Deus cruel que me criou semelhante a si’. Você pode até acreditar desta maneira. Isso é mais lógico do que não crer”.

Do mesmo modo, disse que a música, “como todos os talentos deste mundo, é um dom de Deus, não há dúvida sobre isso. No homem não há mérito, porque tudo o que o homem pode alcançar na vida o faz através de dons, de talentos que recebe”.

Sobre a oportunidade de cantar para o Papa Francisco durante o Festival das Famílias que acontecerá no Croke Park Stadium (Dublin) no sábado, 25 de agosto, Bocelli disse a Vatican News que para ele é “um privilégio”.

“Cantar diante do Santo Padre é algo prazeroso, sobretudo por causa desse tipo de fragilidade humana que nos faz sentir felizes quando nos aproximamos de personalidades carismáticas como a sua”, comentou.

Acrescentou que “também é uma responsabilidade, precisamente porque nesses contextos são passadas mensagens, que devem ser corretas”.

“Por isso vou tentar me preparar, vou dar o melhor de mim e depois espero que tudo corra bem, que as famílias levem para casa uma bela lembrança deste momento musical”, manifestou.

Esta não é a primeira vez que Andrea Bocelli, que se declara católica, canta em um Encontro Mundial das Famílias. Ele participou do evento que aconteceu em 2015, na Filadélfia (Estados Unidos).

Também cantou par ao Papa Francisco no Vaticano em 2015 e 2017 e suas interpretações comoveram os presentes e o próprio Pontífice.

Fonte: ACI