Segunda, 06 Agosto 2018 13:46

IV Missão Jovem no Marco mobiliza centenas de participantes para levar a palavra de Deus

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Missão realizada de 26 a 29 de julho contou com mais de 400 participantes jovens

Centenas de jovens da Diocese de Sobral tiveram uma experiência missionária em que puderam levar às famílias a palavra de Deus e celebrar a unidade entre a quinta-feira, 26, e o domingo, 29 de julho. A IV Missão Jovem Diocesana na Paróquia São Manuel do Marco contou ainda com momentos de oração, animação, celebração eucarística e noite cultural. Foram mais de 400 missionários internos (em especial os crismandos da paróquia) e externos, vindos de outras paróquias.
Da Região Episcopal da Sede, enviaram missionários as paróquias do Patrocínio, Ressurreição, Sagrado Coração de Jesus, Sumaré e Jaibaras. Da Região Episcopal do Coreaú, participaram Coreaú, Massapê, Meruoca e Senador Sá. Da Região Episcopal do Araras, a paróquia de Varjota. Da Região Episcopal Vale do Acaraú, estiveram presentes Jijoca, Morrinhos e Santana do Acaraú. As dioceses de Quixadá e de Tianguá (Paróquia de Graça) também enviaram missionários. Estiveram presentes ainda os seminaristas do Propedêutico e da Filosofia.
A programação teve início na quinta-feira, 26, às 18h, com missa do envio, no Santuário Sagrado Coração de Jesus. Na celebração eucarística foram abençoados, de modo especial, os idosos em virtude da memória de São Joaquim e Sant’Ana. Também foi abençoada água para as visitas às famílias e os missionários receberam bênção de envio. Os jovens missionários foram recebidos pela Comissão Paroquial da IV Missão. Pe. Raimundo Nonato Timbó de Paiva, pároco da Paróquia do Marco, avaliou, durante a missa de encerramento, que a missão alcançou seus objetivos. “Todos os crismandos de nossa paróquia foram considerados missionários internos, o que foi uma boa experiência. Gostaria de agradecer às paróquias que enviaram seus missionários. Foi uma experiência concreta que fizemos de unidade, de fraternidade, de reflexão e de missão”, ressalta.

Partilhar
A liturgia da missa de encerramento no domingo, 29 de julho, abordou o tema da partilha, com o Evangelho da multiplicação dos pães. “Ninguém pode reter para si o que Deus dá para todos”, ressalta Pe. Raimundo Nonato explicando que evangelizar e partilhar os bens é um chamado de todos os cristãos. “Felipe achava que só quem tem dinheiro pode partilhar. Por isso, ele disse que nem 200 denários seriam suficientes para alimentar o povo. Felipe acreditava que o bem-estar iria depender da partilha dos ricos, mas o Senhor quer mostrar outra realidade. Jesus mostra a possibilidade de haver uma grande partilha entre todos e olha não apenas para a alma das pessoas, mas também para o estômago, para a realidade bem concreta”, ressalta.
Jesus também pede que os mais de cinco mil homens se sentem como forma de mostrar que todos são livres em Deus. “Só comiam sentadas as pessoas livres. As pessoas escravas não poderiam se sentar para se alimentar”, explica o sacerdote. A passagem da multiplicação dos pães é ainda uma preparação para que ainda no sexto capítulo do Evangelho de São João Jesus mesmo diga ser o pão da vida. “O pão de Deus é aquele que desce do céu e dá a vida ao mundo. Quem come minha carne e bebe meu sangue tem a vida eterna. É um prenúncio da santa eucaristia”, completa.

Unidade e missão
Wendel Johnson, catequista da Paróquia São Manuel do Marco
Representando os catequistas da Paróquia do Marco, Wendel Johnson destacou que um dos maiores frutos da missão foi a unidade dos grupos juvenis da paróquia. “Pe. Raimundo Nonato sempre nos fala que precisamos ir ao encontro e convidar as pessoas e não apenas esperar que elas venham à Igreja. Foi muito bom porque vimos a unidade dos grupos juvenis da nossa paróquia”, ressalta. Wendel disse ainda ser necessário que o movimento evangelizador siga na Paróquia.

Revonar espiritual
Eduardo Lima, seminarista da paróquia Imaculada Conceição de Hidrolândia
Evangelizar é sempre um aprendizado e um renovar espiritual, segundo o seminarista da paróquia Imaculada Conceição de Hidrolândia, Eduardo Lima. “Renovar espiritual para nós missionários e também para as pessoas que visitamos. Pude perceber junto às famílias as dores e alegrias e quantos corações feridos e machucados. A realidade é ainda muito dura e quanto mais evangelizamos, mais vemos a necessidade de evangelizar. Por isso, a missão continua, nunca acaba. Vemos nos olhos das pessoas a necessidade de Deus, a sede de Deus e não podemos ficar parados, acomodados”, ressalta. Os missionários, segundo Eduardo, devem levar ao povo a misericórdia de Deus. “A missão é escutar as pessoas e, partir do problema posto, falarmos sobre Deus e sobre a misericórdia de Deus, o perdão e o amor de Deus por cada um de nós”, avalia.

Ler 75 vezes
Educadora 950

 A Rádio da Família Cristã