Pico do dólar impulsiona busca de brasileiros por destinos nacionais

Desde o início de 2019, o Brasil tem assistido o valor do dólar aumentar. Em julho, a moeda americana ultrapassou a barreira dos R$ 4,00, e chegou a R$ 4,16. Desde então, o dólar tem oscilado em torno disso e as consequências desse período de instabilidade podem ser observadas também no mercado de turismo. Segundo levantamento feito pelo Kayak, maior ferramenta de buscas de viagem do mundo, destinos nacionais e na América Latina têm sido cada vez mais visados pelo público brasileiro. Em contrapartida, opções estrangeiras tradicionais, como Miami, Orlando, Nova York e Lisboa têm ficado para trás.

De acordo com a pesquisa, Curitiba lidera o ranking dos destinos nacionais mais visados pelo brasileiro, com alta de 81%. Logo atrás vem Belo Horizonte (79%), Brasília (74%) e São Paulo (63%). A única cidade internacional da lista é Santiago (60%), no Chile, que, por estar localizada na América do Sul, está relacionada à tendência de procura por lugares menos ‘dolarizados’.

“Com a alta do dólar, é natural que o viajante procure destinos nacionais e na América Latina, já que eles oferecem um custo do dia a dia mais acessível”, comenta Eduardo Fleury, líder de operações do Kayak no Brasil.Vale ressaltar que a alta do dólar também impacta os preços das passagens aéreas nacionais, já que vários dos fatores que determinam esses valores são calculados de acordo com a moeda americana. “Uma viagem compreende muitos custos diferentes. Quando se viaja na América Latina, a maioria dos custos de viagem, além da passagem aérea (alimentação, lazer, compras e hospedagem), é paga nas moedas locais, que de modo geral também estão desvalorizadas em relação ao dólar”, explica Fleury.

“Portanto, são destinos menos dolarizados, ou seja, os custos da viagem como um todo não são tão afetados pelo câmbio real-dólar como são os de uma viagem para os Estados Unidos, por exemplo”, diz.

Fleury também pontua que planejar a viagem com antecedência é essencial. “Para aqueles que continuam buscando viajar para o exterior, recomendamos comprar passagens com, no mínimo, três a quatro meses de antecedência da data da viagem. Para passagens nacionais, a antecedência ideal é de um mês”, completa Fleury.

Alta do dólar

O mês de setembro foi marcante para o Brasil. Isso porque o dólar passou, pela primeira vez na história, um mês inteiro acima dos R$ 4,00. O alto valor da moeda americana não se explica somente pelo que acontece nacionalmente. De acordo com o estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus, acontecimentos internacionais repercutem no preço do dólar não só em terras brasileiras, mas no mundo inteiro.

Entre os motivos por trás da alta, alguns têm maior destaque, como a tensão entre Arábia Saudita e o Irã, a guerra comercial envolvendo a China e Estados Unidos, além do processo de impeachment contra Donald Trump.

Apesar disso, nos últimos dias, foi possível observar um movimento de leve queda no preço do dólar. “Se a gente olhar nos últimos dias, o dólar caiu bem. E tem um motivo muito específico para isso. Indicadores econômicos dos Estados Unidos vieram muito abaixo do esperado e isso pressionou o dólar para baixo. Porque o mercado busca segurança, mas não está buscando nos EUA e no dólar, mas em outras moedas, como o iene, o euro, franco suíço, dólar canadense, dólar australiano, etc. Isso pressiona o dólar para baixo no mundo inteiro, então a moeda está se enfraquecendo e os investidores já não estão mais buscando tanta segurança no dólar”, comenta Laatus.

“O dólar está atrelado aos Estados Unidos, e o país, como veio exposto nos indicadores, está mostrando que a recessão não está tão longe como se imaginava”, completa.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*